Connect with us

Notícias

21 Dias de Ativismo: Juntos por um mundo sem violência contra mulheres

No Acre, existem 9,3 mil casos judiciais envolvendo mulheres aguardando julgamento, incluindo 57 de feminicídio. Em Rio Branco, são 6,7 mil processos em espera, enquanto em Cruzeiro do Sul há 1,1 mil casos pendentes no Judiciário. Além de políticas, precisamos focar em educar e mudar mentalidades.

Published

on

À medida que o mundo se volta mais uma vez para os “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, somos confrontados com a angustiante persistência de uma realidade sombria e urgente. Esses dias, que se estendem do Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres até o Dia Internacional dos Direitos Humanos, representam não apenas uma campanha anual, mas um clamor contínuo por justiça, dignidade e segurança para todas as mulheres e meninas em todo o mundo.

Os números não mentem. A cada quatro horas, uma mulher é vítima de violência no Brasil. Em 2022, 1.437 mulheres perderam suas vidas para o feminicídio, e chocantes 61,1% delas eram mulheres negras. Esses dados, frios e cruéis por si só, revelam não apenas uma estatística, mas vidas dilaceradas, sonhos interrompidos e comunidades afetadas pela brutalidade e pela dor.

É fundamental compreender a complexidade desse cenário. Por trás desses números, estão narrativas que vão muito além do âmbito estatístico. Mulheres negras, especialmente, carregam um fardo desproporcional, sofrendo não apenas com a violência física, mas também com a interseção de discriminação racial, econômica e de gênero. Mais de 31% das agressões têm como perpetradores ex-parceiros, expondo a crua realidade da violência doméstica, um flagelo enraizado na intimidade dos lares.

É crucial ressaltar que esses números são mais do que estatísticas. São retratos de vidas dilaceradas, histórias de sobrevivência e resiliência em face do indescritível. São traumas que ecoam por gerações, deixando marcas profundas nas vítimas e em suas comunidades.

A campanha deste ano, entretanto, não é apenas um lembrete dos desafios inegáveis que enfrentamos, mas também um chamado à ação e reflexão coletiva. Iniciativa como o programa Comv-vida, lançado em 2022, pelo Tribunal de Justiça do Acre, representa um passo crucial na direção certa, oferecendo apoio multidisciplinar e recursos vitais para as vítimas. O programa, se destaca como um farol de esperança para as vítimas. Ele foi concebido com o propósito fundamental de oferecer uma acolhida humanizada e dedicar um espaço exclusivo para mulheres vítimas de violência doméstica, reconhecendo a necessidade urgente de apoio e proteção a essas pessoas em situações vulneráveis.

No Acre, existem 9,3 mil casos judiciais envolvendo mulheres aguardando julgamento, incluindo 57 de feminicídio. Em Rio Branco, são 6,7 mil processos em espera, enquanto em Cruzeiro do Sul há 1,1 mil casos pendentes no Judiciário. Esses números chamam a atenção para um problema sério. É essencial que avancemos além das políticas e programas. Educação, conscientização e mudança cultural são pilares fundamentais para transformar essa realidade. A conscientização sobre os direitos das mulheres vítimas de violência é essencial, mas é igualmente crucial que essa conscientização se traduza em mudanças sistêmicas e atitudes cotidianas.

Assim, devemos nos questionar: Qual é o nosso papel? Como indivíduos e como sociedade, que medidas estamos tomando para desafiar e transformar as estruturas que perpetuam a violência? Como podemos construir uma cultura de respeito, igualdade e proteção para todas as mulheres, independentemente de sua origem ou condição?

As respostas a essas perguntas não são simples, mas a mudança começa com a ação, por mais pequena que seja. Cada passo em direção a uma sociedade mais justa e segura para todas as mulheres é um avanço significativo.

Neste período de 16 dias, peço a todos a refletirem sobre o impacto devastador da violência contra as mulheres e a se comprometerem com ações tangíveis. É uma caminhada em direção a um futuro onde todas as mulheres possam viver sem medo, onde suas vozes sejam ouvidas e respeitadas, e onde a violência não encontre espaço para prosperar.

Estamos em um momento decisivo, onde a inação não é uma opção. É hora de transformar a indignação em ação, para que possamos construir um mundo onde a violência contra as mulheres não seja mais uma triste realidade, mas sim uma memória distante.

Fontes:

– Rede de Observatórios da Segurança
– Fórum Brasileiro de Segurança Pública
– Instituto de Liderança Global das Mulheres
– Centro para Liderança Global das Mulheres
– Relatório “Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil, 4ª edição – 2023”
– Programa Comv-vida – Tribunal de Justiça do Acre

Foto: Sérgio Vale / Vale Comunicação

Direto ao ponto

Zequinha Lima e a prerrogativa de formar uma chapa forte para Cruzeiro do Sul

Liderança do prefeito reúne grande frente partidária, mas escolha do(a) vice é importante para manter desenvolvimento e credibilidade

Published

on

O prefeito Zequinha Lima, de Cruzeiro do Sul (CZS), enfrenta o desafio de escolher seu(a) vice-prefeito(a), decisão aguardada com grande expectativa. Desde o início de seu mandato, Zequinha se destacou por sua habilidade em unir uma frente partidária diversa focada no desenvolvimento da cidade. Sua liderança é reconhecida pela capacidade de construir alianças e dialogar com diferentes setores da sociedade.

A presença de vários nomes ao posto de vice é vista como um reflexo positivo da liderança e credibilidade de Zequinha, promovendo uma construção coletiva e afastando-se do modelo tradicional de política dominada por coronéis e dinastias familiares. No entanto, a política exige mais do que desenvolvimento; a distribuição de espaços de poder também é essencial. Zequinha já demonstrou seu compromisso com a ideia de que “somos mais fortes juntos”, reiterando isso em várias ocasiões.

Lideranças locais e observadores concordam que Zequinha precisa gerenciar cuidadosamente o processo de escolha de seu(a) vice para evitar um retrocesso ao “sistema colonial de barranco”. A seleção deve considerar nomes internos e perfis dos adversários, além de refletir os diferentes extratos sociais da cidade.

Para os aliados, a falta de credibilidade dos adversários, resultado de práticas políticas passadas, é um ponto fraco. Por isso, é importante que Zequinha escolha um(a) vice que acrescente credibilidade e inovação à sua chapa.

Apesar das discussões sobre gênero e religião, a eleição em CZS transcende esses aspectos. O(a) vice-prefeito(a) precisa ter carisma e credibilidade, independentemente do gênero, para enfrentar o machismo estrutural e o conservadorismo locais. A decisão de Zequinha Lima será crucial para o futuro político e o desenvolvimento contínuo de Cruzeiro do Sul.

Continue Reading

Notícias

Zequinha inaugura o Centro Administrativo Municipal na Vila Santa Luzia

Published

on

Na manhã desta quinta-feira, a Prefeitura de Cruzeiro do Sul inaugurou o novo Centro Administrativo Municipal na Vila Santa Luzia, na BR 364. A cerimônia contou com a presença do Prefeito Zequinha Lima, do Vice-prefeito Henrique Afonso e de secretários municipais. O centro, financiado com uma emenda parlamentar da ex-deputada Mara Rocha no valor de R$ 391.691,90, além de R$ 85.000,00 para mobília e equipamentos, oferecerá acesso a serviços públicos de todas as secretarias por meio de um calendário de atendimento. A Secretaria de Educação implantará uma Escola de Informática no local.

O Prefeito Zequinha Lima destacou a importância do novo Centro Administrativo para a Vila Santa Luzia: “Este centro é a nova referência da prefeitura, atendendo a um pedido da comunidade. Além dos serviços administrativos, teremos uma escola de informática. Reformamos postos de saúde, aumentamos o atendimento médico e contratamos mais dentistas. Nosso compromisso é continuar investindo para melhorar a vida da população.”

O deputado estadual Nicolau Jr. destacou a importância do novo Centro Administrativo: “É maravilhoso ver a prefeitura se aproximando da população. Temos agora um laboratório para atender quase 30 mil pessoas, uma escola de informática para a juventude e o gabinete do prefeito disponível aqui. É um avanço extraordinário na gestão do prefeito Zequinha.”

O Centro Administrativo é uma ampliação da presença do poder público na Vila Santa Luzia, focado em melhorar a qualidade de vida dos moradores. Nicolau Jr. destacou que, na Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac), colabora diariamente com Zequinha para os avanços em Cruzeiro do Sul. Ele afirmou estar orgulhoso em contribuir com os progressos alcançados pela gestão do Prefeito Zequinha Lima na cidade.

Continue Reading

Cultura

Pesquisa de ambientação para roteiro sobre seringueiros é tema de conversa com Arquilau de Melo

Arison Jardim e a pesquisa para o roteiro de “Amazônia: Uma história de amor” encontram inspiração na vida e nas histórias de Arquilau de Melo

Published

on

O projeto “Amazônia: Uma história de amor”, aprovado para financiamento pela Lei Paulo Gustavo e administrado pela Fundação Elias Mansour, no Acre, está em desenvolvimento e conta com a participação de diversos profissionais. O projeto, liderado por Maria Meirelles, tem roteiro escrito pelo jornalista Arison Jardim e é inspirado na vida dos seringueiros da Amazônia. Nesta terça-feira, 18, Arison Jardim conduziu uma conversa com o ex-desembargador Arquilau de Melo para coletar informações e ambientar a narrativa do filme.

O projeto, intitulado “Amazônia: Uma história de amor”, narra a vida de Raimundo Nonato e sua família, focando no cotidiano dos seringueiros e na complexidade das relações sociais na região. A história aborda temas como o extrativismo, a conservação ambiental e as desigualdades sociais, destacando-se por sua relevância cultural e social.

Arquilau de Melo, que nasceu em um seringal, no Alto do Rio Juruá Mirim, na região do Juruá, compartilhou suas experiências desde a infância no seringal até sua trajetória como advogado, juiz e, posteriormente, desembargador. Ele relembrou sua infância no seringal e a mudança para a cidade aos sete anos para estudar.

Após formar-se em direito, atuou como advogado em defesa dos seringueiros e trabalhadores rurais. Sua atuação como juiz e desembargador foi marcada pela busca por justiça e pela valorização da história e cultura do Acre. Atualmente, é curador do espaço Casa Museu, um ponto de cultura que está sempre aberto para receber escolas e grupos, sem qualquer cobrança financeira, promovendo um ambiente de diálogo e aprendizado.

Arison Jardim busca retratar a realidade da Amazônia, destacando a importância da preservação ambiental e a luta por justiça social na região. Foto: Alexandre N Nobre

Durante a conversa, Arquilau detalhou aspectos importantes da vida dos seringueiros, como as dificuldades enfrentadas no trabalho e as relações sociais na região. Ele mencionou a prática de “correrias” contra os indígenas, a exploração dos trabalhadores e a complexa dinâmica entre seringueiros e seringalistas. Além disso, discutiu a influência de figuras históricas e as mudanças econômicas e sociais na Amazônia ao longo do tempo.

A conversa forneceu material valioso para o roteiro de “Amazônia: Uma história de amor”, contribuindo para uma representação autêntica e detalhada do cotidiano dos seringueiros. A produção busca retratar a realidade da Amazônia, destacando a importância da preservação ambiental e a luta por justiça social na região. “Nós temos uma história fantástica, bonita, de luta, de guerra, na Amazônia. É fundamental que a gente mantenha viva a memória dessa história”, afirma.

“Amazônia: Uma história de amor” é um projeto selecionado por sua capacidade de abordar questões essenciais para a compreensão da história e cultura da Amazônia. “Contar as histórias, escrever sobre aquilo que o pessoal viveu é uma maneira de manter viva essa história”, declarou Arquilau.

Sobre o Casa Museu

A conversa foi realizada no espaço Casa Museu, construído por Arquilau e sua família em sua casa e que promove o reconhecimento e a valorização da identidade acreana e amazônica, destacando a importância de conhecer e preservar a própria história. Este esforço ajuda a combater preconceitos e a valorizar as contribuições dos trabalhadores locais, como os seringueiros.

Casa Museu: Um refúgio de memória e cultura acreana, criado por Arquilau de Melo e sua família, para preservar e valorizar a história dos seringueiros e a identidade amazônica – Foto Jean Andrade

Apesar dos desafios financeiros e logísticos, Arquilau de Melo investiu seus próprios recursos na criação do espaço atual da Casa Museu. Ele acredita que a gestão do museu deve estar nas mãos da sociedade civil, garantindo a perenidade e a continuidade do projeto independente das variações na administração pública.

Projeto: Desenvolvimento do roteiro e longa-metragem de ficção intitulado “Amazônia: Uma História de Amor”
Proponente: Maria Meirelles
Financiamento através de recursos da Lei Paulo Gustavo.
Edital Lei Paulo Gustavo Acre – Edital de Audiovisual Nº 006/2023
FUNDAÇÃO DE CULTURA E COMUNICAÇÃO ELIAS MANSOUR – FEM

Assessoria: Maria Mariah Fotos: Alexandre Nunes e Jean Andrade

Continue Reading

Tendência