Connect with us

Cultura

Natielly Castro, poeta do Acre, vence Prêmio Pretas Potências

Projeto “Poesia que escurece” é destaque entre mais de 2 Mil inscrições, valorizando a criatividade e identidade negra no Acre

Published

on

A poesia que escurece e ilumina. Assim é o projeto de Natielly Castro de Lima, ou artista Natidepoesia, uma mulher preta, acreana, poeta marginal, escritora, Slammer, performer, arte educadora, oficineira, graffiteira, comunicadora e produtora cultural. Com sua voz potente e sua palavra afiada, ela conquistou o Prêmio Pretas Potências, na categoria coletivo – saraus, com o projeto “Poesia que escurece”.

O Prêmio Pretas Potências é uma iniciativa da PretaHub, uma plataforma de inovação social e econômica para a comunidade negra brasileira. O prêmio tem o apoio do Ministério da Cultura, Banco BV, BASF, Ernst & Young e Mercado Livre e visa reconhecer e valorizar artistas, grupos e coletivos negros que se destacaram nos últimos anos nas áreas da economia criativa.

Natielly Castro é uma das 150 premiadas entre mais de 2 mil inscritos de todo o país, com seu projeto “Poesia que escurece”, que consiste em uma metodologia de escrita criativa e palavra falada voltada para a população negra e periférica do Acre, desde 2019.

O projeto tem como objetivo promover a autoestima, a identidade, a resistência e a transformação social por meio da poesia.

Em sua fala de agradecimento, Natielly disse que está emocionada pelo reconhecimento de um trabalho que dedica sua vida inteira. Ela também agradeceu aos coletivos que potencializam tudo que fazem juntos: @centraldeslamac, @trz.crew, @poetasvivxs e @slamdasminasac.”E esse caminho só é possível através de trabalhos desenvolvidos cotidianamente pelos coletivos Central de Slam, TRZ CREW e Poetas Vivos”, disse. Para ela, a poesia é seu instrumento de transformação de mundo e que é uma estrela que brilha na fronteira do Brasil.

Natielly compartilhou sua perspectiva com estas palavras: “A poesia me proporcionou tudo de bom que pude viver até aqui, e como qualquer menina preta, tive minha autoestima sabotada inúmeras vezes, e hoje estou como uma ‘Preta Potência’, representando não só a resiliência da minha história de vida, mas o significado que o acesso à arte e educação tem na vida de qualquer pessoa de quebrada. A poesia é marginal, pois veio da margem, tal qual eu. Isso significa muito, é o resultado de um trabalho coletivo, de todas as iniciativas que compõem a cultura urbana acreana.”

E Natielly tem uma visão clara para o futuro: “Quero que cada vez tenham mais jovens negros e de quebrada como eu acessando os espaços, principalmente chegando na cena do Slam, que desempenha um papel fundamental de arte educação, além de colocar em protagonismo as pessoas marginalizadas na sociedade. Um dia, em breve, faremos o Slam BR (campeonato brasileiro de poesia falada) no Acre, mudando o eixo da cultura e colocando o foco na produção do norte”.

Com sua arte engajada e combativa, Natielly Castro denuncia as opressões e as violências sofridas pela população negra e periférica no Brasil. Ela também celebra as raízes africanas, a ancestralidade, a cultura afro-brasileira e a beleza negra. Ela se define como “o terrorismo lírico revidando e resistindo na fronteira do Brasil”.

Natielly Castro é uma referência na cena cultural do Acre e do Brasil. Ela é fundadora do Slam das Minas Acre, um campeonato de poesia falada exclusivo para mulheres cis e trans. Ela também é integrante do Coletivo Central de Slam Acre (CDSA), do Coletivo TRZ Crew (graffiti) e do Coletivo Poetas Vivos (poesia), e já participou da Festa Literária das Periferias (Flup).

Para conhecer mais sobre o trabalho de Natielly Castro, você pode acessar seu perfil no instagram: https://www.instagram.com/natidepoesia/

Cultura

Inscrições abertas para Oficina de Pandeiro com João Gabriel Brito

Percussionista formado pela Universidade Federal do Acre ministra curso na Escola de Música do Acre

Published

on

Estão abertas as inscrições para a Oficina de Pandeiro, ministrada pelo músico e percussionista João Gabriel Brito. Formado pela Universidade Federal do Acre, Brito possui mais de 20 anos de experiência no Estado. A oficina é parte do projeto Orquestra de Percussão – Homenagem a Jackson do Pandeiro, financiado pela Lei Paulo Gustavo e promovido pela Fundação de Cultura Elias Mansour.

Destinada a músicos e estudantes de música, a oficina tem como objetivo desenvolver habilidades no pandeiro, explorar suas possibilidades sonoras e fornecer recursos técnicos, práticos e teóricos básicos para a execução do instrumento. As aulas ocorrerão na Escola de Música do Acre, às terças e quintas, totalizando 20 horas/aula. Serão oferecidas 10 vagas e os participantes com 75% de presença receberão certificado.

As inscrições estarão abertas de 8 a 14 de julho. O período de seleção será de 15 a 21 de julho e o resultado será divulgado em 22 de julho. A aula inaugural está marcada para 30 de julho e a oficina ocorrerá de 30 de julho a 22 de agosto, das 18h30 às 21h.

Link para inscrições: https://forms.gle/4fboC2XXA5uJWEjy8

Pré-requisitos: ser músico ou estudante de música e possuir acesso a um pandeiro para prática.

Continue Reading

Cultura

Inscrições para o curso “Filme Escola Por um Cinema Possível” se encerram no sábado, 6

Published

on

“Na oficina de arte para o audiovisual, não só falaremos sobre direção de arte e as “gambiarras” do cinema na Amazônia, mas também colocaremos a mão na massa!”. A definição de Hannah Lydia, uma das ministradoras do curso “FilmEscola Por um Cinema Possível”, coordenado pelo realizador audiovisual e cineclubista Teddy Falcão. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas até o sábado, 6, por meio do link https://www.even3.com.br/ofilmescola/ .O resultado com a lista dos aprovados será publicada no domingo, 7, por meio do instagram @saturnoapc .

Ainda de acordo com Hannah, em seu laboratório – Arte para o Audiovisual -, a idéia é explorar os conceitos básicos de direção de arte. “Principalmente, para entender a importância do cenário, figurino e adereços, e como esses elementos contribuem para a narrativa visual”, reforça.

Já a ministradora do laboratório de Fotografia para Cinema e Audiovisual, Deyse Cruz-Noronha, traduzir a histórias em imagens é a principal missão do tema. “Nesta oficina vamos estudar técnicas de Fotografia, criatividade visual e como o fotógrafo de Cinema ajuda a dar vida ao roteiro cinematográfico”, reitera.

Ao longo do curso, serão realizadas práticas das etapas de audiovisual com laboratórios considerados essenciais para a produção de um filme. Ainda de acordo com o coordenador, os encontros serão intensivos para práticas de roteiro, produção audiovisual, fotografia para cinema, produção executiva, arte para audiovisual, direção, montagem e edição.

A qualificação conta com sete laboratórios com capacitações ministradas, além de Teddy, por profissionais acreanos atuantes no cinema e audiovisual: a fotógrafa Deyse Cruz-Noronha, que ministrará o tema Fotografia para Cinema; com a jornalista e cineasta Juliana Machado, que trará a produção audiovisual na prática; com o cineasta Ney Ricardo, que explicará as práticas de direção audiovisual; com a fotógrafa Hannah Lydia, que discorrerá sobre a Arte para o audiovisual e com o realizador audiovisual Eduardo Fragoso, que reforçará a montagem edição audiovisual.

O curso é uma produção da Saturno Produção e Audiovisual, e dispõe de financiamento do Governo Federal, da Lei Paulo Gustavo por meio da Fundação Garibaldi Brasil.

Confira a programação:

Segunda, 08/07

8h às 12h | Laboratório de práticas e estruturação de roteiro audiovisual, com  Teddy Falcão

14h às 16h | Laboratório de Práticas de produção audiovisual, com Juliana Machado

16h às 18h | Laboratório de Produção Executiva, com Cecília Vilhena

Terça, 09/07

8h às 12h | Laboratório de Fotografia para cinema e audiovisual, com Deyse Cruz

14h às 18h | Laboratório de Direção Audiovisual, com Ney Ricardo

Quarta, 10/07

8h às 12h | Laboratório de Arte para o audiovisual, com Hannah Lydia

14h às 18h | Laboratório de Montagem e Edição Audiovisual, com Eduardo Fragoso–

Por Anne Nascimento Jornalista

Continue Reading

Cultura

O espetáculo ‘3 Maneiras de Tocar no Assunto’ é apresentado no Acre neste fim de semana

O monólogo, que é um manifesto artístico a favor de toda diversidade e contra as intolerâncias

Published

on

O palco do Teatro Hélio Melo dará vida ao premiado espetáculo “3 Maneiras de Tocar no Assunto”, no próximo sábado e domingo, 6 e 7, em Rio Branco, Acre.

O monólogo, que é um manifesto artístico a favor de toda diversidade e contra as intolerâncias, aborda a homofobia na sociedade moderna. Com dramaturgia e atuação de Leonardo Netto e direção de Dadado de Freitas, a peça está nos palcos desde 2019 e foi assistida por mais de 20 mil espectadores. Recebeu os prêmios Cesgranrio (Melhor Texto Nacional Inédito, Ator e Categoria Especial, pela direção de movimento de Marcia Rubin), APTR-RJ (Melhor Autor e Iluminação) e Cenym de Teatro Nacional (Melhor Monólogo), acumulando quase 20 indicações em premiações.

Em 2024, o espetáculo está realizando uma turnê inédita que percorre as regiões Norte e Nordeste do Brasil, com apresentações sempre gratuitas e 100% acessíveis. Todas as sessões tem intérpretes de Libras, audiodescrição, monitoria para pessoas com deficiência intelectual e acontecem em locais com estrutura como corrimões, rampas, banheiros adaptados, iluminação adequada e plateia com reserva de espaços para pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida. A circulação é um projeto patrocinado pelo Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com realização da Fulminante Produções e do Ministério da Cultura, Governo Federal – Brasil, União e Reconstrução.

A montagem “3 Maneiras de Tocar no Assunto” reúne três solos escritos e interpretados por Leonardo Netto, colocando em pauta questões relacionadas à homossexualidade, ao preconceito contra o homossexual e a comunidade LGBTI+ em geral.

Os textos fazem uma interlocução direta com o público: o que há, afinal, de tão incômodo, maléfico e repugnante na homossexualidade? Por que, através dos tempos, ela teve sempre de ser punida? Por que a orientação sexual de uma pessoa pode a transformar num cidadão de segunda classe, com menos direitos que o resto da população?

“Homofobia mata todo mundo: o pai que teve a orelha arrancada por beijar o filho, os irmãos que foram linchados por andarem abraçados. Não adianta achar que você está livre porque você não é gay. Vivemos um retrocesso de entendimento sobre isso, um conservadorismo estúpido. A população LGBTI+ no Brasil está alijada de quase setenta direitos previstos na Constituição”, ressalta Leonardo Netto, que abordou o tema por três instâncias distintas: a Escola, a Lei e o Estado.

SINOPSE:

Um tema, três solos curtos. No primeiro solo, “O homem de uniforme escolar”, o público assiste a uma aula de bullying homofóbico: o que é, como praticar e quais as suas consequências físicas e emocionais? São histórias reais de crianças e jovens que sofreram com o preconceito e a intolerância na escola. Na sequência, “O homem com a pedra na mão” parte do depoimento ficcional de um dos participantes da Revolta de Stonewall, ocorrida em junho de 1969 em Nova York, um marco fundamental da luta pelos direitos da comunidade LGBTI+. Uma descrição minuciosa da noite em que os frequentadores (gays, lésbicas, travestis, drag queens) do bar Stonewall Inn reagiram, pela primeira vez, a mais uma batida policial no local. O último solo, “O homem no Congresso Nacional”, é o pronunciamento de um deputado gay e ativista na tribuna da Câmara.

Classificação: 14 anos
Duração: 80min
Gênero: Drama

FICHA TÉCNICA
Texto e atuação: Leonardo Netto
Direção: Dadado de Freitas
Direção de movimento: Marcia Rubin
Iluminação: Renato Machado
Figurino: Luiza Fardin
Cenário: Elsa Romero
Visagismo: Marcio Mello
Trilha sonora: Rodrigo Marçal e Leonardo Netto
Adaptação de luz: Kuka Batista e Leandro Barreto
Direção de produção: Luísa Barros e Amanda Cezarina
Gerência administrativa: Amanda Cezarina
Produção executiva: Thaís Pinheiro
Produção local: H Produções
Fotos: Rayane Mainara
Identidade visual: Lê Mascarenhas
Design: Geraldo Oliveira
Comunicação social: Lucas Sampaio
Mídias sociais: Ronny Werneck
Assessoria de imprensa: Maria Meirelles
Realização: Fulminante Produções Culturais e Ministério da Cultura, Governo Federal – Brasil, União e Reconstrução

Continue Reading

Tendência