Connect with us

MEIO AMBIENTE

Monitoramento preciso e ação coordenada: A estratégia do Acre contra as enchentes

Colaboração para minimizar impactos e proteger comunidades vulneráveis

Published

on

O Governo do Estado do Acre, por meio de várias instituições e órgãos, está concentrando esforços para lidar com as enchentes que impactam diversas regiões do estado. O Centro Integrado de Geoprocessamento e Manutenção Ambiental (CIGMA), vinculado à Secretaria de Ambiente (SEMA), desempenha um papel fundamental na coleta, análise e distribuição de dados geoespaciais e hidrometeorológicos necessários para decisões estratégicas.

Dados indicam a presença de um sistema meteorológico denominado Alta da Bolívia, operando em elevadas altitudes atmosféricas, cerca de 12 km acima do solo, com atividade intensa no sul da Amazônia. Esse fenômeno está contribuindo para a ocorrência de chuvas intensas em toda a região.

Acompanhamos as atividades no CIGMA, onde a secretária de Meio Ambiente do Acre, Julie Messias, destaca a necessidade de um monitoramento eficaz diante dos eventos extremos, que se tornam cada vez mais frequentes na região. “Os eventos extremos na Amazônia estão intensificando. No Acre, temos notado, semelhante ao ocorrido em 2023, uma elevação no nível dos rios e inundações nos igarapés em março. Neste ano, ainda em fevereiro, já estamos enfrentando o evento extremo da cheia dos rios em vários municípios,” declara Messias.

Ela destaca a contribuição do CIGMA na orientação das ações preventivas e eficientes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil, baseando-se em dados de previsão de chuva e análise de inundação. O trabalho do CIGMA envolve planejamento e organização meticulosos dos dados geoespaciais, cruzando informações de diversas plataformas para gerar análises em tempo real. Essa abordagem permite ao governo estadual criar relatórios detalhados, mapas e imagens que são essenciais para direcionar as ações de resposta.

Essa colaboração possibilita a previsão de áreas suscetíveis a enchentes, aprimorando as ações de evacuação e reduzindo os prejuízos. “É crucial para o Estado contar com um monitoramento eficaz, e nosso Centro Integrado de Geoprocessamento e Monitoramento Ambiental oferece essas informações, que são analisadas por meio de diversas bases de dados,” destaca Messias.

Ela explica que o CIGMA possibilita uma análise aprofundada dos dados, considerando os impactos nas áreas de educação, saúde e economia, além de incorporar aspectos sociais e ambientais. Essa análise integrada fortalece a capacidade do governo de implementar políticas públicas efetivas, demonstrando a importância do Centro não apenas como uma ferramenta de resposta imediata, mas também como um componente vital na gestão de longo prazo dos recursos naturais e na mitigação dos impactos das mudanças climáticas.

O Estado em Ação

O Coronel Batista, coordenador da Defesa Civil Estadual, enfatiza o esforço coletivo na resposta às inundações. “Todo o sistema estadual de proteção e Defesa Civil, neste momento, está acompanhando a situação das inundações em todos os municípios do estado do Acre,” explica. A estratégia inclui o monitoramento constante dos níveis dos rios, a retirada de famílias das áreas de risco e a coordenação de apoio técnico e financeiro tanto em nível estadual quanto federal.

Além do suporte imediato, o Corpo de Bombeiros garante a comunicação eficaz com a população por meio do número de emergência 193 e, nas áreas onde não estão presentes, a assistência é fornecida pelas defesas civis municipais.

Alysson Bestene, secretário de Estado de Governo (Segov), destaca a integração entre as secretarias e órgãos estaduais para o apoio às vítimas das enchentes. “Através da Secretaria de Governo, que integra todas as áreas, todas as secretarias, a pedido do governador Gladson Cameli, nós nos reunimos, a Defesa Civil, o Corpo de Bombeiro, a SEMA, monitorando todos esses dados das áreas críticas,” afirma Bestene.

Ele ressalta o comprometimento do Estado em fornecer assistência humanitária, logística e apoio contínuo às famílias afetadas. “A gente está apoiando as famílias para retirada através do Corpo de Bombeiro, Defesa Civil, dando toda a logística necessária e apoio a essas instituições com o DERACRE, com todas as embarcações da SEAGRI e IMAC, todos nós envolvidos no propósito de cuidar dessas famílias, dessas vítimas atingidas pela alagação”, explica.

Fotos: Jean Andrade

MEIO AMBIENTE

Na fronteira com o Acre, organizações indígenas do Peru movem ação contra construção de estrada e suas ameaças

Published

on

Organizações indígenas do Peru entraram com uma ação contra o Governo Regional de Ucayali para interromper a construção da estrada Nueva Italia – Puerto Breu. A estrada, iniciada sem autorização legal, foi aberta por madeireiros e narcotraficantes, sem estudo de impacto ambiental ou consulta prévia às comunidades afetadas.

A ação foi apresentada pela Organização Regional AIDESEP Ucayali (ORAU) e pela Associação de Comunidades Nativas para o Desenvolvimento Integral de Yurua, Yono e Sharakoiai (ACONADIYSH), com o apoio do Instituto de Defesa Legal (IDL) e da Upper Amazon Conservancy (UAC).

As comunidades indígenas dos distritos de Yurua e Tahuania, na província de Atalaya, manifestaram preocupação com a abertura da estrada, que já resultou no desmatamento de 7.160 hectares, segundo o Ministério do Ambiente. A estrada também ameaça os povos indígenas em situação de isolamento e contato inicial na Reserva Indígena Murunahua.

No Congresso, há iniciativas para formalizar a construção da estrada e declará-la de interesse nacional, como o Projeto de Lei 06960/2023-CR. As comunidades nativas argumentam que essa formalização facilitaria a expansão de atividades criminosas, como o narcotráfico e a extração ilegal de madeira, prejudicando o meio ambiente e as terras indígenas.

A demanda constitucional busca que o Governo Regional de Ucayali suspenda a construção da estrada, citando violações dos direitos coletivos dos povos indígenas, incluindo o direito a um ambiente equilibrado. Estudos indicam que a estrada já causou desmatamento significativo e que sua formalização aumentaria o impacto ambiental e social na região.

A construção da estrada UC-105 também apresenta sérios riscos para as comunidades indígenas no Acre, Brasil, situadas na fronteira. A estrada facilita a entrada de atividades ilícitas na região, resultando em desmatamento, contaminação de corpos d’água e impactos negativos na biodiversidade. Os povos indígenas do Acre, especialmente os Ashaninka do Rio Amônia, enfrentam ameaças diretas devido à proximidade da estrada com seus territórios. A ocupação ilegal e a presença de atividades criminosas aumentam a violência, incluindo assassinatos de líderes indígenas e defensores ambientais.

Historicamente, a estrada tem servido como um corredor para atividades predatórias, como a extração de madeira. Com a reabertura e expansão da UC-105, há um temor de retorno dos conflitos e deslocamentos forçados que marcaram as décadas passadas, agravando a situação dos povos indígenas que já sofreram com invasões e exploração ilegal em suas terras.

Fonte: https://www.idl.org.pe/

Continue Reading

MEIO AMBIENTE

⁠ Julie Messias recebe Cruz do Mérito da Amazônia por atuação exemplar no meio ambiente ⁠

Secretária do Acre é homenageada por Redução Histórica no Desmatamento e Combate às Queimadas

Published

on

A secretária Julie Messias recebeu a Cruz do Mérito da Amazônia pelo seu trabalho como gestora pública à frente da pasta ambiental no governo do Acre. A cerimônia de premiação aconteceu durante o evento Ícones da Amazônia, organizado pela Câmara Brasileira de Cultura e Academia de Ciências e Artes, no buffet AFA Jardim, em Rio Branco.

Julie Messias, além de ser secretária do Meio Ambiente, é presidente do Comitê Diretivo do GCF no Brasil e do Fórum de Secretários da Amazônia Legal. Em seu discurso, destacou que a premiação é um reconhecimento não apenas a ela, mas a toda a equipe de governo que trabalha na conservação e preservação ambiental.

Agradeço ao governador Gadson Cameli pela confiança em meu trabalho à frente da Sema, e a todos os demais agentes que atuam integrados à nossa pasta de Meio Ambiente.

O estado do Acre tem obtido resultados, como a redução de 69% no desmatamento e 45% nos focos de queimadas em 2023, conforme relatórios do MapBiomas e do Cigma, respectivamente. Além disso, foi o primeiro estado a ter um projeto aprovado pelo Fundo Amazônia, no valor de aproximadamente R$ 98 milhões. As ações incluem a Rede de Governança Ambiental, mutirões de regularização ambiental e programas como ReflorestAcre, Bioguardião e Água Boa.

Julie Messias enfatizou os desafios atuais, como a seca extrema e a baixa pluviosidade devido aos efeitos prolongados do El Niño, e lançou iniciativas como o Decreto de Emergência Ambiental e a Segunda Fase da Operação Protetor dos Biomas.

A premiação é o reconhecimento pelo trabalho dedicado à proteção ambiental e ao desenvolvimento sustentável da região amazônica.

Com informações Assessoria / Foto: Janine Brasil/Sema

Continue Reading

MEIO AMBIENTE

Governo do Acre declara Emergência Ambiental devido à Seca

Medidas emergenciais são tomadas para enfrentar prolongamento dos efeitos do El Niño

Published

on

O governo do Acre decretou Situação de Emergência Ambiental em todos os 22 municípios do estado, válida até 31 de dezembro, devido aos efeitos prolongados do El Niño. A medida visa coordenar ações para reduzir os impactos da seca severa, que tem afetado os níveis dos rios e aumentado o risco de incêndios florestais.

Um Gabinete de Crise foi estabelecido para monitorar os índices de chuvas e cursos hídricos, além de lançar a segunda fase da Operação Protetor dos Biomas. Reuniões semanais na Sala de Situação da Secretaria do Meio Ambiente são realizadas para alinhar estratégias entre os órgãos envolvidos.

A secretária do Meio Ambiente, Julie Messias, enfatizou a importância da união de esforços para proteger a população e o meio ambiente diante dos impactos da seca.

As medidas são parte de um esforço conjunto para mitigar os impactos da seca extrema na região, mobilizando recursos e promovendo uma resposta coordenada entre diferentes órgãos e autarquias. O cenário é desafiador, especialmente com as previsões de transição para o fenômeno La Niña, que podem trazer novos desafios para a gestão ambiental e a segurança da população acreana.

Foto: Alexandre Noronha / Assessoria

Continue Reading

Tendência