Connect with us

Direto ao ponto

Entre tradição e inovação a escolha de um vice

A disputa eleitoral em Rio Branco revela contrastes entre estratégias

Published

on

Enquanto a velha boa “nova” política insiste na estratégia de uma candidatura para ter o nome lembrado e quem sabe com uma certa força para futuras eleições e que de novo mesmo só a “vontade de lacrar e privilégios”. De um lado temos, Tião Bocalom que sabe bem o que quer e até aqui faz o dever de casa certinho, “a maquina está nas ruas” – diriam especialistas, e seu vice Alysson Bestene vem apadrinhado pelo Governador Gladson Cameli. Vale só aguardar e esperar que lhe ajude e transfira votos, o que não conseguiu quando apoiou Socorro Neri em 2020.

Do outro lado, temos o MDB que se prepara para discutir quem será o vice em sua chapa. Uma questão importante fica em aberto: será que o partido está perdendo a chance de renovar suas lideranças e atrair a atenção das novas gerações?

O MDB adiou o debate sobre a escolha do vice para a chapa de Marcus Alexandre para o final de julho. Entre os nomes cotados, encontramos figuras conhecidas e respeitadas como a engenheira Yael Saraiva, a gestora Jesuíta Arruda, e a vice-prefeita de Rio Branco Marfisa Galvão, todas filiadas ao PSD e evangélicas da Assembleia de Deus. Além delas, os médicos infectologistas Jenilson Leite (PSB) e Thor Dantas também são mencionados em colunas políticas e nos corredores e salas mdbistas e aliados. Embora sejam nomes de peso e reconhecidos por suas contribuições, essa escolha pode refletir um apego a figuras tradicionais, conhecidas e ligadas a grupos.

Flaviano Melo, presidente do MDB, destacou várias vezes que a escolha do vice é prerrogativa de Marcus Alexandre, embora haja um debate prévio entre os líderes do MDB e os dirigentes dos partidos aliados. Essa estrutura de decisão, baseada em “cabeças brancas”, pode ser vista como um reflexo do conservadorismo e da resistência à inovação.

Há quem reconheça, até mesmo entre os seus adversários, que a candidatura e liderança de Marcus Alexandre transcende as linhas partidárias e oferece uma plataforma única para o MDB se conectar com as novas gerações. Jovens eleitores estão cada vez mais ávidos por mudanças e por líderes que representem suas aspirações e desafios contemporâneos. A escolha de um vice que simbolize essa renovação poderia fortalecer a campanha e proporcionar uma nova dinâmica à política local.

A insistência em nomes tradicionais pode ser vista como uma oportunidade perdida. É crucial que o MDB considere nomes que tragam frescor e inovação, que se conectem diretamente com as demandas atuais da sociedade. Essa é a chance de investir em uma nova geração de líderes, que não apenas complementem Marcus Alexandre, mas que também tragam novas ideias e abordagens para a gestão pública.

Foto capa: Projeto Arte Grafite — Foto: Assis Lima

Direto ao ponto

Esquerda X Direita: Antipetismo, alianças políticas e a escolha da vice

Published

on

Tudo indica que Marfisa Galvão (PSD) será confirmada como vice-prefeita na chapa de Marcus Alexandre (MDB) na eleição municipal de Rio Branco. Com isso, os questionamentos são inevitáveis: para que serve mesmo o(a) vice? Vice agrega ou desagrega?

Antes de falarmos sobre isso, vejamos o cenário para vice de Marcus Alexandre, que tem sido moldado pelo antipetismo e por tudo que minimamente se assemelha a um pensamento de esquerda ou progressista. O medo do “comunismo” parece realmente assombrar alguns políticos acreanos, tão anos 70 e 80…

No MDB, fala-se mais em não colocar nenhum “esquerdista” como vice do que nas qualidades que um(a) vice, como Marfisa, deve ter e pode trazer. Afinal, o que a esposa do senador Petecão pode agregar? É triste falar de Marfisa como esposa, e não como gestora pública, política habilidosa e liderança que pode ser, isso pelo simples fato de não se conhecer o trabalho que ela possa ter realizado. Um erro de estratégia e marketing pessoal ou simplesmente não há o que mostrar e dizer?

Como se diz por aqui nas terras do Galvez: Petecão, que levou uma peia de Gladson e Jorge Viana na última eleição para governador, ainda tem força para trazer recursos financeiros para a campanha de Marcus? Como Kassab, o chefão do PSD, vê o cenário da política no Acre?

Há quem diga que o MDB, ou melhor, os cabeças brancas do “Glorioso”, estão com a expectativa muito alta e a sua medida, régua, com relação a alianças, muito baixa. Enquanto o adversário se coloca na sombra de uma máquina governamental e na simpatia vitoriosa de Gladson, que ninguém consegue explicar.

Aqui vale retornar a Marfisa: não seria este o momento para ela ser protagonista e construir sua própria história? Quem sabe, com unidade e estratégia, o PSD possa não apenas elegê-la, mas também formar uma boa bancada na câmara. Estaria faltando humildade para tal empreitada?

Esse direto ao ponto não é nem sobre vice ou poder, mas um questionamento sobre o silêncio do MDB aos tantos ataques aos seus aliados. Aqui cito a Federação Brasil da Esperança (FE Brasil), integrada por PCdoB, PT e PV, e incluo o PSOL, todos partidos de esquerda. Quão grande é o medo do antipetismo? E para que se aliar a partidos de esquerda, se não existe o mínimo reconhecimento de seus legados e lutas? E diga-se de passagem que em Rio Branco, o legado também foi construído por Marcus Alexandre, o que a esquerda não nega.

Se por um lado o MDB quer ir à festa, mas não quer ser visto com os convidados, do outro lado Bocalom segue construindo alianças, fiel às suas convicções, reunindo o que definiu como a direita acreana.

Fotos: Jardy Lopes

Continue Reading

Direto ao ponto

Daniel Zen critica antipetismo e defende Agricultura Familiar no Acre

No Tribuna Livre, Daniel Zen destaca estratégias do PT para recuperar força política no Acre

Published

on

Em uma entrevista concedida ao programa “Tribuna Livre”, na TV Rio Branco, na última segunda-feira, 1, o presidente regional do Partido dos Trabalhadores do Acre e professor da UFAC, Daniel Zen, compartilhou sua visão sobre o futuro da sigla. Zen abordou os desafios enfrentados pelo partido, as estratégias para as próximas eleições e a importância da diversificação da matriz produtiva no estado.

Zen iniciou reconhecendo a situação delicada do PT no cenário atual, destacando a necessidade de recuperar terreno de forma gradual e consciente. “Nós não temos deputados na Assembleia, não temos vereadores na capital e em diversos municípios. O que nos cabe agora é recuperar terreno de forma gradual, fazendo o debate correto com a população”, afirmou.

Sobre as eleições municipais de 2024, Zen mencionou que o PT está focado em formar chapas proporcionais fortes. “A nossa prioridade é recuperar espaço e terreno perdido pelas bordas. Não adianta colocarmos um candidato majoritário para tomar fumo, ou fazer uma queda de braço com outros partidos aliados para indicar um vice”, ressaltou.

Zen também destacou as candidaturas próprias em municípios estratégicos, como Xapuri, Porto Walter e Senador Guiomard, além de parcerias em outras localidades. “Vamos ter candidatura própria em Xapuri, com o Erivelton Soares, em Porto Walter, com o ex-prefeito Neuzari Pinheiro, e em Senador Guiomard, com Adonai Brito. Em Feijó, temos o ex-prefeito Francimar Fernandes como candidato a vice-prefeito, e em Assis Brasil, o sargento Reginaldo como candidato a vice-prefeito”, detalhou Zen.

“Esse sentimento de antipetismo é injusto.

Zen concluiu sua análise destacando a necessidade de uma visão mais ampla e equilibrada sobre o papel do PT e suas contribuições históricas no Acre. “Esse sentimento de antipetismo é injusto. Se fizermos um balanço, os acertos superam os erros. O debate municipal não pode ser despolitizado. Política deve ser feita com responsabilidade, avaliando as situações históricas de forma amistosa e menos acirrada”, finalizou.

A conversa com a bancada também abordou o tema da preservação ambiental e desenvolvimento econômico, com Zen enfatizando a importância de diversificar a matriz produtiva do Acre. “A preservação ambiental deve ser positiva para o ser humano. O nosso problema não é debater se vamos ou não plantar soja ou criar gado. O grande problema é que a matriz do desenvolvimento não pode estar escorada numa única solução econômica. A monocultura gera pouca empregabilidade”, argumentou.

“Quem garante a segurança alimentar na mesa das pessoas é a agricultura familiar…”

Para Zen, a agricultura familiar é essencial para garantir a segurança alimentar no estado. “Quem garante a segurança alimentar na mesa das pessoas é a agricultura familiar, não o agronegócio. Precisamos diversificar a matriz produtiva para gerar mais empregos e distribuir renda de forma mais equitativa”, declarou.

Foto: Assessoria

Continue Reading

Direto ao ponto

Bastidores da Política em Cruzeiro do Sul: PL perde espaço na aliança com o MDB

Published

on

A política no Acre está mais dinâmica do que nunca. Em Cruzeiro do Sul, o principal tema de discussão é a perda de espaço do Partido Liberal (PL) na aliança com o MDB, apesar de deter o maior tempo de TV e o maior fundo eleitoral. Alguns atribuem isso à falta de compreensão do PL sobre seu próprio tamanho, enquanto outros apontam para a prepotência do MDB local.

O ambiente político esquentou. Membros do PSD, partido do senador Petecão, confirmaram um acordo com Vagner Sales, decidindo pela indicação do advogado Tota Filho como vice na chapa de Jéssica Sales. A confiança do clã Sales em Tota Filho motivou a decisão, que foi imediatamente questionada por membros do PL.

Márcio Bittar, um dos principais articuladores da direita acreana, evita qualquer aliança com o MDB em Rio Branco, onde Marcus Alexandre é o pré-candidato. Em vez disso, uniu forças com o prefeito Tião Bocalom, sendo o grande responsável por alinhar Gladson Cameli e Bocalom, o que resultou na escolha de Alysson Bestene como vice na chapa.

Em Cruzeiro do Sul, Bittar apoia Jéssica Sales do MDB, mas cede espaço ao PSD, que deve indicar Tota Filho como vice. Conversas nos bastidores indicam que o PL está dividido, e já se fala em uma aproximação com Zequinha Lima (PP).

A posição de Bittar em Cruzeiro do Sul, enquanto evita o MDB na capital, apoia o partido em Cruzeiro do Sul e ainda concede espaço para o PSD. Para muitos “Essa incoerência nas alianças políticas pode custar caro ao senador Bittar, 2026 é bem ali.”

Foto: Cedida

Continue Reading

Tendência