Connect with us

Cultura

Batalhas de rimas na periferia fortalecem expressão cultural em Rio Branco

“Empoderamento Juvenil e Apoio Comunitário, sei da importância que a arte e a cultura têm na vida da gente”

Published

on

“Nós somos! Um só!”. Ecoam em coro jovens das mais diversas idades, identidades e estilo. O grito é um convite poético de convocação à Batalha da Quadra, um duelo de rimas entre MCs que acontece toda quinta-feira, em uma quadra no bairro Tancredo Neves, na periferia de Rio Branco.

As batalhas de MC’s, conhecidas também como duelo de freestyle, são uma das linhas da cultura hip hop onde os “MC’s” (mestres de cerimônia) se enfrentam e batalham entre si com rimas improvisadas, criadas na hora, acompanhadas por beats, ou no formato capela. Elas também servem como forma de empoderamento da cultura de rua e são espaços extremamente enriquecedores e politizantes.

É através das rimas que a arte e as vivências das ruas se expressam e as palavras se tornam ferramentas, armando além do clima de duelo, como são chamadas as batalhas de MC’s, um espaço de discussões políticas e inclusão social. Isso é o que conta Leonardo Rayam, ou MC Davinci, organizador da Batalha da Quadra.

“A gente é um movimento existencial, fazemos nossa resistência através do rap. Aqui proporcionamos batalhas para a molecada do bairro onde rola duelos, gritos e poesia também. Construímos um movimento onde você chega e é abraçado porque o hip-hop é isso, é união”, declarou Davinci.

Davinci explica que, mesmo que as rimas sejam improvisadas, as batalhas seguem regras e um código moral implícito, seguindo a conduta da cultura Hip Hop. As regras evitam maiores problemas, como preconceito e ofensas pessoais. “Nosso intuito é criar um espaço acolhedor para todos”, disse.

Ainda segundo o happer, as batalhas acontecem em toda cidade, mas, a Batalha da Quadra é especificamente no bairro Tancredo Neves. O encontro reúne jovens de diferentes idades que, através das rimas, retratam suas vivências. O MC conta que devido a falta de apoio e incentivo do poder público municipal, os artistas resistem com a ajuda do ativista social, Cleson Lima, que já desenvolve diversos trabalhos com a juventude local e atualmente é presidente do Grêmio Recreativo Explode Coração (GREC).

“O Cleson já tinha o movimento dele aqui e cheguei pra ele perguntando se a gente podia compartilhar o espaço. Felizmente, recebemos esse apoio dele, que também foi quem disponibilizou os equipamentos pra que a gente pudesse fazer nossa batalha. Ele abraçou o movimento e a gente só agradece”, ressaltou.

Para Cleson Lima a importância de todas as artes é sempre a de libertar, de expressar sentimentos, além de ser uma manifestação política. E, segundo ele, a batalha é só um meio disso, uma forma que os jovens têm de mostrar cada vez mais a sua arte e a sua realidade.

“Como jovem periférico, sei da importância que a arte e a cultura têm na vida da gente, principalmente essa arte de rua, que reflete a nossa realidade. Essas batalhas trazem os jovens para se expressarem. Acho que é importante fazer o jovem entender que ele tem que ter seu espaço, sua participação, mas que ele também precisa lutar por isso. E a gente está aqui para deixar essa luta mais justa, oferecendo esse apoio”, declarou Cleson.

Mesmo com os desafios, a Batalha da Quadra vem se tornando cada vez mais um espaço de encontros, resistência, protagonismo da juventude periférica e que dar voz aos silenciados. Um embate de ideias, rimas e conceitos onde todos saem vencedores. Um destino certo, para quem curte um rolê com rimas improvisadas e de manifestações artísticas.

Texto: Carina Menezes

Cultura

Conselheiros e Conselheiras rejeitam proposta de financiamento da Prefeitura em Rio Branco

Gestão municipal destina R$ 300 mil ao Fundo Municipal de Cultura, mas membros do CMPC discordam

Published

on

Durante o 1° Fórum Integrado de Arte e Patrimônio Cultural em Rio Branco, os membros do Conselho Municipal de Políticas Culturais (CMPC) rejeitaram a proposta da prefeitura destinada ao Fundo Municipal de Cultura. A gestão municipal alocou R$ 300 mil para o fundo, abaixo da expectativa de R$ 2 milhões.

Os representantes culturais consideram que a decisão da prefeitura de transferir R$ 1,7 milhões para a execução direta da Fundação Garibaldi Brasil, em vez de utilizar o Fundo Municipal de Cultura, é prejudicial ao setor cultural. Para eles, essa ação representa um ataque ao Conselho Municipal de Políticas Culturais.

“Transformar esse recurso inteiro em ações diretas na Fundação Garibaldi Brasil não é promover política cultural, mas sim agir de forma oportunista. Especialmente em ano eleitoral, isso é, no mínimo, questionável. O movimento cultural de Rio Branco trabalha incansavelmente neste território, muitas vezes sem o devido reconhecimento. Essa decisão reflete um alto nível de descaso e incompetência”, afirmou Camila Cabeça, coordenadora da Comissão Executiva de Cultura do CMPC.

Durante o Fórum, os membros do CMPC deliberaram por rejeitar o valor designado pela prefeitura, que consideraram “uma migalha”. Além disso, destacaram a redução do Fundo Municipal de Cultura de R$ 2 milhões para R$ 300 mil como uma preocupação adicional.

Continue Reading

Cultura

Museu dos Povos Acreanos: Preservação da Cultura e História do Estado

Museu dos Povos Acreanos resgata história e cultura, tornando-se referência regional e impulsionando economia e turismo local.

Published

on

O Museu dos Povos Acreanos, resultado de um investimento conjunto do governo do Acre e do Banco Mundial, revitalizou um prédio histórico, originalmente sede de instituições educacionais, transformando-o em um espaço cultural de destaque em Rio Branco. Com a inauguração da primeira etapa da obra em agosto de 2023, o museu não apenas resgatou a memória da região, mas também impulsionou a economia local, gerando empregos na construção civil.

O local abriga salas temáticas que destacam aspectos importantes da cultura acreana, oferecendo uma experiência enriquecedora aos visitantes. Além do acervo histórico, o museu conta com espaços interativos, como a Sala Interativa e a Loja Bem Acreano, que oferece artesanatos e souvenirs regionais.

Desde sua abertura, o Museu dos Povos Acreanos já recebeu milhares de visitantes, tornando-se um ponto de referência na cidade. Com uma equipe dedicada de servidores e colaboradores, o espaço está aberto de quarta a domingo, oferecendo visitas guiadas e eventos culturais.

A coordenadora do museu destaca sua importância social na preservação da memória e na educação das gerações futuras, ressaltando o desafio contínuo de manter vivo o legado cultural do estado. A visitação e participação em eventos podem ser agendadas através das redes sociais do museu.

O Museu dos Povos Acreanos é um testemunho vivo da rica história e identidade da região, oferecendo aos visitantes uma jornada única pela cultura acreana.

Continue Reading

Cultura

Fluxo Cia de Artes apresenta “Cine Fluxo – Uma Aventura no Cinema”

Published

on

Imagine se o filme Meu Malvado Favorito fosse demonstrado em sapateado? Ou, quem sabe, uma versão do longa O Menino do Pijama Listrado em dança contemporânea? Pois foi esta a intenção que fez com que o bailarino, coreógrafo e diretor da Fluxo Cia de Artes, Dheyvison Bruno, idealizasse o espetáculo “Cine Fluxo – Uma Aventura no Cinema”. O evento ocorre às 19h30 e os ingressos antecipados já estão à venda pelo telefone (68)99904-5453 (Dheyvison Bruno) ou diretamente pelo perfil do grupo no Instagram, @fluxociadeartes.

Ainda segundo o diretor, a ideia surgiu durante a pandemia, quando acrescentou mais um hábito à já antiga paixão pela dança. “E foi agora que surgiu a ideia de juntar duas coisas que gosto muito – o cinema e a música – em um único espaço, em que pudéssemos imaginar como seriam alguns filmes em forma de dança”, explicou

Além dos já citados, o espetáculo conta com clássicos, como Mágico de Oz, Burlesque e Cantando na Chuva, além de filmes que são quase que inimagináveis para a dança, como Velozes e Furiosos e Piratas do Caribe.

Conforme explicado por Dheyvison Bruno, a apresentação abrangerá uma variedade de estilos de dança, incluindo ballet clássico, jazz funk, dança contemporânea, dança do ventre, sapateado, dança de salão, entre outros. Uma das novidades deste evento é a estreia dos alunos que frequentam as aulas na Fluxo, conforme destacado por Bruno. Por meio do projeto “Dançando com a Fluxo”, a companhia oferece aulas aos domingos para entusiastas da dança e para a comunidade em geral no Centro Cultural Thaumaturgo Filho, localizado no Manoel Julião.

“É incrível testemunhar a evolução e os desafios enfrentados pela Fluxo a cada ano. Anteriormente éramos apenas artistas do Acre nos unindo para realizar trabalhos artísticos. Agora, temos aproximadamente 50 alunos mergulhando nesse mundo que tanto amamos. Sem dúvida, este evento será um marco na vida deles”, enfatiza o diretor.

Lyvia Santos, aluna da Fluxo Cia de Danças do Centro Cultural Thaumaturgo Filho, disse estar muito empolgada com o espetáculo. “Fazer parte das aulas aos domingos já é uma experiência enriquecedora, e ter a oportunidade de contribuir para este evento é emocionante. Confesso que estou ansiosa, cheia de expectativa para estes dias e aprender com esta experiência. Mal posso esperar para ver como tudo se desenrola e contribuir da melhor forma possível”, reiterou.

Já Elias Silva, integrante da Cia Fluxo de 25 anos, falou sobre o que é mais desafiador no espetáculo. “Para mim, o mais desafiador é o ballet, pois sou de Xapuri, e lá a gente não tem tantos estilos variados de aulas de dança. Então, poder fazer aula de balé e sapateado pra mim tá sendo importantíssimo na minha formação como profissional, pessoal também. Eu tenho muito a agradecer a Cia Fluxo por estar proporcionando essa oportunidade de fazer aulas nessas modalidades, que eu sempre admirei muito, mas pra mim era uma realidade muito distante”, afirmou.

Além disso, a III Mostra de Dança será ainda mais inclusiva, conforme destaca Dheyvison Bruno, com a participação de outros grupos. O evento contará com apresentações do Ballet Lia Carvalho, Ballet Sesi Acre, Studio de Dança Bellart, Studio Dança do Ventre By Júlia Arantes, Escola No Compasso, Cheerleaders Fúria e Grupo Rebellion, destacando a diversidade e riqueza da dança em Rio Branco.

Assessoria

Continue Reading

Tendência