Connect with us

Cultura

Relatos de Euclides da Cunha já denunciavam violência contra indígenas na Amazônia

Published

on

Os relatos de viagem da expedição feitos pelo jornalista e escritor Euclides da Cunha entre 1904 e 1905 ao Acre e à Amazônia e publicados em forma de livros e ensaios impressionam por sua atualidade. Na época, o autor de Os Sertões (1902), sobre a Guerra de Canudos, na Bahia, já denunciava a violência contra os povos originários, a devastação ambiental e a exploração predatória dos recursos naturais da floresta, destruição cujos responsáveis eram os caucheiros peruanos, extrativistas que exploravam a região em busca de látex, seiva retirada de espécies vegetais usada para a produção da borracha.

“Abrindo a tiros de carabinas e a golpes de machetes (um tipo de facão utilizado para poda de árvores) novas veredas a seus itinerários revoltos, e desvendando outras paragens ignoradas, onde deixariam, como ali haviam deixado, no desabamento dos casebres ou na figura lastimável do aborígine sacrificado, os únicos frutos de suas lides tumultuárias, de construtores de ruínas” – Euclides da Cunha

Neste trecho, o escritor critica a lógica econômica e social de exploração do látex da seringueira e do caucho (árvore que também contém látex) para produção da borracha, uma vez que na virada dos séculos 19 e 20 havia uma demanda do mercado internacional pelo produto, devido ao advento da Segunda Revolução Industrial. Na linguagem da época, os escritos ressaltavam a invasão de territórios pelos seringueiros, a violência contra os povos indígenas e a ausência de aproveitamento da terra de forma racional e de longo prazo.

“Foi um período que marcou profundamente a vida dos povos indígenas e da paisagem social dessa região”, conta ao Jornal da USP o historiador José Bento Camassa, autor da pesquisa de mestrado Os icebergs e os seringais: representações e projetos políticos nos relatos de viagem de Roberto Payró sobre a Patagônia (1898) e de Euclides da Cunha sobre a Amazônia (1904-1905). Camassa analisou relatórios de viagens desses dois autores enviados especiais à Amazônia brasileira e à Patagônia, na Argentina, para colherem informações sobre esses territórios que, na época, haviam sido recentemente anexados geograficamente aos seus países. A pesquisa foi apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Euclides da Cunha, no centro, junto com outros integrantes da Comissão Brasileira de Reconhecimento do Alto Purus – Foto: Acervo da Casa Euclidiana de São José do Rio Pardo-SP – consultado no site Ciência Hoje

Segundo o historiador, tanto Euclides quanto Payró tinham ambições intelectuais literárias publicando relatos de viagens, porque ambos os autores integraram um período de grande prestígio do ensaísmo e da viagem intelectual à América Latina. Euclides, por exemplo, queria repetir o feito do livro de sua autoria sobre a Guerra de Canudos que fazia muito sucesso editorial na época. Porém, o principal objetivo deles foi direcionar o debate público sobre a ocupação e o desenvolvimento da região, além de demonstrar a relevância que o território poderia ter na geopolítica sul-americana e mundial. Euclides seguiu rumo ao Norte amazônico, nos anos de 1904 e 1905, chefiando a Comissão Brasileira de Reconhecimento do Alto Purus, organizada pelo Itamaraty; e o jornalista Payró viajou à Patagônia, em 1898, como enviado especial do jornal La Nación, de Buenos Aires, Argentina.

Os dois autores se deslocaram quase na mesma época para terras afastadas de suas capitais nacionais, regiões que estavam passando pelo processo de ocupação e integração territorial e viviam disputas fronteiriças. Camassa lembra que o Acre tinha acabado de ser anexado ao Brasil, por meio do acordo feito com a Bolívia pelo Tratado de Petrópolis, em 1903; e a Patagônia, que, após o processo de etnocídio (conceito usado para descrever a destruição da cultura de um povo) contra as populações indígenas locais conhecido como “Conquista do Deserto”, foi em parte anexada pela Argentina e parcialmente pelo Chile, de modo que a definição das fronteiras sulinas entre os dois países ainda estava pendente.

O Peru não reconheceu o acordo de anexação do Acre ao Brasil, porque o país também tinha interesse no território acriano. Segundo o historiador, esse era um dos motivos das tensões na região, que resultaram em conflitos de seringueiros brasileiros contra os caucheiros peruanos (seringueiros do Peru) na disputa dos seringais amazônicos para extração de látex da borracha.

Soberania e povoamento da região


Os dois viajantes descreveram as duas regiões como “espaços geográficos desamparados, mas com grandes potencialidades”. Divergiam, porém, sobre aspectos políticos. Por exemplo, como deveria acontecer o povoamento das regiões e o grau de autonomia política que elas deveriam ter.

Payró era cético quanto à atuação econômica do Estado e simpático à iniciativa privada e às ideias liberais. Influenciado pelo pensamento argentino da possibilidade de europeização do país, ele desejava uma Patagônia desenvolvida de forma mais independente do governo central da Argentina e com estreita ligação com a Europa e o império britânico. Admirando a Inglaterra, seu povo e sua cultura, Payró desejava que a Patagônia fosse povoada sobretudo por brancos imigrantes recém-chegados da Europa.

Em oposição, Euclides era nacionalista e defendia que o Estado fosse protagonista no desenvolvimento político e econômico da Amazônia e que a região deveria ser ocupada sistematicamente por brasileiros, inclusive pelos seringueiros que vinham de outros Estados brasileiros e que, em sua visão, poderiam se fixar na região.

Euclides chegou a propor a construção de uma ferrovia no território acriano para melhorar o aproveitamento econômico e promover sua integração com o espaço geográfico nacional, diz o estudo. Ele entendia que o desamparo e abandono da região estavam ligados à ausência de instituições estatais no território, o que resultava em brutal violência e exploração do trabalho nos seringais.

Observando a exploração econômica do látex por grupos privados, Euclides saiu em defesa dos seringueiros, aqueles que estavam na base da cadeia econômica e na lida do dia a dia da sangria das árvores. Ele dizia que esses trabalhadores viviam em situação análoga à escravidão e todo o lucro ficava concentrado com os patrões.

No trecho abaixo, Euclides descreve essa situação:

“O homem, ao penetrar as duas portas que levam ao paraíso diabólico dos seringais, abdica as melhores qualidades nativas e fulmina-se a si próprio, a rir, com aquela ironia formidável. É que (…) o aguarda a mais criminosa organização do trabalho que ainda engenhou o mais desaçamado egoísmo. (…) De feito, o seringueiro, e não designamos o patrão opulento, se não o freguês jungido à gleba das ‘estradas’, o seringueiro realiza uma tremenda anomalia: é o homem que trabalha para escravizar-se.” – Euclides da Cunha

Contemporaneidade de Euclides
O historiador diz que Euclides da Cunha apresenta grande interesse para o Brasil contemporâneo. Seus escritos podem ser revisitados para compreender a situação atual da Amazônia, que nos últimos anos tem vivido situação de calamidade pública em razão do descaso dos últimos anos do governo federal, que desaparelhou órgãos de fiscalização e desassistiu os povos indígenas. O abandono governamental levou à proliferação da pesca e caça predatórias, do corte ilegal de madeira e da instalação irregular de garimpos em terras Yanomami. “Mesmo havendo garantias constitucionais de proteção do Estado brasileiro, nos últimos anos houve tolerância e estímulo em prol da destruição e de interesses econômicos privados criminosos”, diz o historiador.

“A civilização, barbaramente armada de rifles fulminantes, assedia completamente ali a barbaria encontrada (…) E os caucheiros aparecem como os mais avantajados batedores da sinistra catequese a ferro e fogo, que vai exterminando naqueles sertões muitíssimos os mais interessantes aborígines sul-americanos.” (Trecho de relatos de viagem de Euclides da Cunha)

Ao voltar de suas jornadas, Euclides e Payró publicaram suas impressões sobre a Amazônia/Acre e a Patagônia em forma de artigos, entrevistas e livros e se tornaram referências frequentemente citadas sobre as duas regiões ao longo do século 20.

Ainda que hoje devam ser criticados em virtude de seu racismo e etnocentrismo, os escritos de Euclides seguem relevantes para a compreensão da Amazônia, uma tarefa imprescindível para nosso país, diz o historiador.

Ponte entre o passado e o presente

No caso das pesquisas sobre Euclides e a Amazônia, Camassa “estabeleceu interessantes pontes entre o passado e o presente, entendendo que os textos do escritor podem subsidiar as análises sobre os problemas vividos na contemporaneidade”, relata a orientadora da pesquisa, Stella Maris Scatena Franco, professora do Departamento de História da FFLCH, também especialista em História Latino-Americana.

De acordo com o estudo, Euclides, em seu tempo, aludiu à ciência como caminho para se estabelecer formas de cuidado da região, refletiu sobre mecanismos racionais de desenvolvimento econômico que gerassem menos impacto sobre o manancial natural e mostrou preocupação com as comunidades locais – todos estes, traços de permanência até os dias de hoje. “É, portanto, uma pesquisa sobre o passado que se conecta com o contexto atual”, conclui.

A pesquisa contou com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Fonte: https://jornal.usp.br/

Texto: Ivanir Ferreira
Arte: Joyce Tenório

Cultura

Prefeitura de Cruzeiro do Sul realiza fórum da Lei Aldir Blanc

Encontro reúne mais de 100 artistas e produtores para discutir projetos e distribuição de recursos para impulsionar a cena cultural em 2024

Published

on

A Secretaria de Cultura de Cruzeiro do Sul, realizou, nesta terça-feira ,27, no auditório da Escola Flodoardo Cabral, o 1⁰ Fórum Municipal de Cultura. Mais de 100 artistas e produtores culturais marcaram presença no encontro para acertar os detalhes da apresentação de projetos para a Lei Aldir Blanc.

A Prefeitura vai financiar diversos projetos culturais ao longo do ano de 2024 por meio de editais, com recursos da ordem de R$ 662 mil. O secretário Aldemir Maciel explicou como serão distribuídos os recursos e orientou os fazedores de cultura para que eles possam apresentar seus projetos.

“No fórum, a prefeitura dá o pontapé inicial para desenvolver mais um programa de incentivo à cultura no município. Aqui nós estudamos a lei. A partir de agora vamos realizar novas escutas e apoiar os artistas a elaborar os projetos para realizar suas atividades ao longo de 2024”, ressaltou Aldemir

Ele destaca que o município de Cruzeiro do Sul foi referência na aplicação dos recursos da primeira edição da Aldir Blanc, em 2021, e na primeira edição da Lei Paulo Gustavo que, em 2023, destinou R$ 800 mil para financiar as atividades culturais na segundo maior cidade do Acre.

“A lei Aldir Blanc vai beneficiar todos os segmentos culturais, com algumas prioridades, como o programa nacional Cultura Viva onde os pontos de cultura vão ser fortalecidos. Os espaços culturais também vão ser beneficiados para poderem fazer pequenas reformas, pagar funcionários. Cruzeiro do Sul tem o CPF da cultura e o que garante que vamos ter os recursos da Lei pelos próximos cinco anos”, destacou Maciel.

O presidente do Conselho Municipal de Cultura, Anailton Salgado, ressaltou a importância do financiamento dos projetos culturais pelas leis federais e também pela lei de Incentivo à Cultura financiada com receitas do próprio município.

“Tivemos a primeira lei Aldir Blanc 01 na época da covid que foi um sucesso, a lei Paulo Gustavo que também está sendo um sucesso total e ainda a Lei Municipal de Incentivo à Cultura que também é sucesso. Agora chega a lei Aldir Blanc 02 que dá oportunidade para aqueles artistas que foram desassistidos e continuidade para os que já tiveram projetos aprovados. Nos últimos três anos tivemos oportunidade dos artistas colocarem suas habilidades na prática para mostrarem seu trabalho”, avaliou Anailton.

Assessoria

Continue Reading

Cultura

Grupo Pé Rachado abre inscrições para oficina de maracatu

Oficina busca ampliar conhecimento e formar novos integrantes

Published

on

O grupo Maracatu Pé Rachado anunciou a abertura de inscrições para uma oficina de maracatu, com o intuito de promover o aprendizado e a prática do baque virado na capital do Acre. A oficina ocorrerá aos sábados, de 02 a 23 de março, na Escola de Música do Acre, em Rio Branco.

A iniciativa visa formar novos batuqueiros para integrar o grupo, proporcionando um total de quatro encontros, das 16h às 18h, com uma carga horária total de oito horas. A programação contempla tanto aspectos teóricos quanto práticos da manifestação cultural centenária de origem afro-brasileira.

Durante os encontros, os participantes terão a oportunidade de conhecer a história do maracatu, suas nações relevantes, personagens do cortejo e os instrumentos utilizados na percussão. A segunda parte da oficina será dedicada à prática, com ênfase no manuseio dos instrumentos musicais: alfaia, caixinha, agbê, gonguê e timbal.

A oficina disponibiliza 30 vagas abertas ao público, sem a necessidade de prévio conhecimento ou posse dos instrumentos. A inscrição, realizada por meio do preenchimento e envio de formulário online no endereço https://forms.gle/ytvs1DSuxyiWL9zB9, requer o pagamento de uma taxa de 20 reais. Os 30 primeiros inscritos que efetuarem o pagamento serão selecionados para participar da oficina.

A lista dos participantes escolhidos será divulgada em 01 de março no perfil do Instagram @maracatuac. O valor arrecadado com as inscrições será destinado à compra de materiais e manutenção dos instrumentos utilizados pelo grupo.

A oficina de maracatu é uma realização do grupo Maracatu Pé Rachado, com apoio da Escola de Música do Acre. O período de inscrição vai de 26 de fevereiro até o preenchimento das 30 vagas, e o início das oficinas está programado para 02 de março. Os oficineiros responsáveis são Vanessa França (Mestra do Maracatu Pé Rachado), Gigliane Oliveira, Guta Rio, Amanda Tálita, Deivid de Menezes e Jaqueline Telis.

Continue Reading

Cultura

O Acre perde Jorge Rivasplata, artista de múltiplas facetas

O legado de um talentoso artista plástico que enriqueceu o cenário cultural do Acre e transcendeu fronteiras

Published

on

O estado do Acre e o mundo das artes despedem-se de Jorge Rivasplata, artista plástico que faleceu aos 90 anos. Rivasplata, nascido em Guadalupe, distrito da província de Pacasmayo, Departamento de La Libertad, no Peru, fixou residência no Acre há mais de três décadas, onde sua vasta contribuição para a arte local se tornou indelével.

Várias autoridades, artistas e instituições, incluindo o Governador do Acre, Gladson Cameli, estão prestando homenagens ao artista Rivasplata. Cameli expressou seu pesar em uma nota, destacando as habilidades de Rivasplata em pintura, escultura, caricatura, entalhe, cerâmica e desenho. Ele relembrou seu último encontro com o artista durante a reinauguração da Galeria de Arte Juvenal Antunes, enfatizando a significativa contribuição de Rivasplata para o espaço cultural.

Essas manifestações coletivas reconhecem a importância do legado deixado pelo artista e sua influência na cena artística e cultural. A participação de Cameli nessas homenagens destaca a relevância do trabalho de Rivasplata para a comunidade e o cenário cultural em geral.

A Casa D’arte Rivasplata, localizada na rua Rui Barbosa, no Centro de Rio Branco, exibe orgulhosamente as obras de Rivasplata, permitindo que visitantes e transeuntes apreciem o legado artístico que ele deixa para a cidade e o estado. Cameli enfatizou que o legado de Rivasplata “estará sempre nos corações acreanos” e expressou suas condolências à família, amigos e admiradores do artista. “Que Deus, em sua infinita bondade, conforte a todos,” concluiu o governador.

Rivasplata dedicou sua vida à arte, enriquecendo o Acre com sua criatividade e talento. Seu impacto transcende as fronteiras locais, tendo deixado uma marca tanto no Brasil quanto internacionalmente.

Foto: Lenno Azevedo

Continue Reading

Tendência