Connect with us

Direto ao ponto

Silas Câmara, marido de Antônia Lúcia, tem mandato cassado por uso ilícito de recursos de campanha

Decisão do TRE-AM abre precedente para redefinição do quociente eleitoral e impacta a representação política do casal Câmara-Lúcia na Câmara dos Deputados

Published

on

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) cassou o mandato do Deputado Federal Silas Câmara, do partido Republicanos. Esta decisão foi tomada nesta quarta-feira (31), com a conclusão do julgamento que analisava o pedido de cassação por gasto ilícito de recursos financeiros de campanha eleitoral durante o ano de 2022. A representação contra Silas Câmara partiu do Ministério Público Eleitoral (MPE).

O julgamento, que inicialmente foi adiado devido a um pedido de vista do juiz Marcelo Vieira, retomou nesta manhã de quarta-feira e, por maioria de votos, resultou na cassação do mandato de Câmara, com quatro votos a favor e dois contra. Apesar da decisão, o deputado tem a possibilidade de recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O relator do caso, ao argumentar pela cassação, solicitou que os votos recebidos por Silas Câmara não fossem considerados para o cálculo do quociente eleitoral, o que pode alterar a distribuição de cadeiras na Câmara dos Deputados oriundas da eleição de 2022.

Silas Câmara tem uma ligação familiar e política com a deputada federal pelo Acre Antônia Lúcia (Republicanos), de quem é marido, ambos atuam em esferas políticas similares e compartilham alinhamentos em diversas pautas e campanhas eleitorais. A relação entre ambos é marcada por uma parceria de longa data no cenário político, onde suas carreiras e atuações têm sido interligadas por objetivos comuns e apoio mútuo.

Direto ao ponto

Zequinha Lima e a prerrogativa de formar uma chapa forte para Cruzeiro do Sul

Liderança do prefeito reúne grande frente partidária, mas escolha do(a) vice é importante para manter desenvolvimento e credibilidade

Published

on

O prefeito Zequinha Lima, de Cruzeiro do Sul (CZS), enfrenta o desafio de escolher seu(a) vice-prefeito(a), decisão aguardada com grande expectativa. Desde o início de seu mandato, Zequinha se destacou por sua habilidade em unir uma frente partidária diversa focada no desenvolvimento da cidade. Sua liderança é reconhecida pela capacidade de construir alianças e dialogar com diferentes setores da sociedade.

A presença de vários nomes ao posto de vice é vista como um reflexo positivo da liderança e credibilidade de Zequinha, promovendo uma construção coletiva e afastando-se do modelo tradicional de política dominada por coronéis e dinastias familiares. No entanto, a política exige mais do que desenvolvimento; a distribuição de espaços de poder também é essencial. Zequinha já demonstrou seu compromisso com a ideia de que “somos mais fortes juntos”, reiterando isso em várias ocasiões.

Lideranças locais e observadores concordam que Zequinha precisa gerenciar cuidadosamente o processo de escolha de seu(a) vice para evitar um retrocesso ao “sistema colonial de barranco”. A seleção deve considerar nomes internos e perfis dos adversários, além de refletir os diferentes extratos sociais da cidade.

Para os aliados, a falta de credibilidade dos adversários, resultado de práticas políticas passadas, é um ponto fraco. Por isso, é importante que Zequinha escolha um(a) vice que acrescente credibilidade e inovação à sua chapa.

Apesar das discussões sobre gênero e religião, a eleição em CZS transcende esses aspectos. O(a) vice-prefeito(a) precisa ter carisma e credibilidade, independentemente do gênero, para enfrentar o machismo estrutural e o conservadorismo locais. A decisão de Zequinha Lima será crucial para o futuro político e o desenvolvimento contínuo de Cruzeiro do Sul.

Continue Reading

Direto ao ponto

Entre tradição e inovação a escolha de um vice

A disputa eleitoral em Rio Branco revela contrastes entre estratégias

Published

on

Enquanto a velha boa “nova” política insiste na estratégia de uma candidatura para ter o nome lembrado e quem sabe com uma certa força para futuras eleições e que de novo mesmo só a “vontade de lacrar e privilégios”. De um lado temos, Tião Bocalom que sabe bem o que quer e até aqui faz o dever de casa certinho, “a maquina está nas ruas” – diriam especialistas, e seu vice Alysson Bestene vem apadrinhado pelo Governador Gladson Cameli. Vale só aguardar e esperar que lhe ajude e transfira votos, o que não conseguiu quando apoiou Socorro Neri em 2020.

Do outro lado, temos o MDB que se prepara para discutir quem será o vice em sua chapa. Uma questão importante fica em aberto: será que o partido está perdendo a chance de renovar suas lideranças e atrair a atenção das novas gerações?

O MDB adiou o debate sobre a escolha do vice para a chapa de Marcus Alexandre para o final de julho. Entre os nomes cotados, encontramos figuras conhecidas e respeitadas como a engenheira Yael Saraiva, a gestora Jesuíta Arruda, e a vice-prefeita de Rio Branco Marfisa Galvão, todas filiadas ao PSD e evangélicas da Assembleia de Deus. Além delas, os médicos infectologistas Jenilson Leite (PSB) e Thor Dantas também são mencionados em colunas políticas e nos corredores e salas mdbistas e aliados. Embora sejam nomes de peso e reconhecidos por suas contribuições, essa escolha pode refletir um apego a figuras tradicionais, conhecidas e ligadas a grupos.

Flaviano Melo, presidente do MDB, destacou várias vezes que a escolha do vice é prerrogativa de Marcus Alexandre, embora haja um debate prévio entre os líderes do MDB e os dirigentes dos partidos aliados. Essa estrutura de decisão, baseada em “cabeças brancas”, pode ser vista como um reflexo do conservadorismo e da resistência à inovação.

Há quem reconheça, até mesmo entre os seus adversários, que a candidatura e liderança de Marcus Alexandre transcende as linhas partidárias e oferece uma plataforma única para o MDB se conectar com as novas gerações. Jovens eleitores estão cada vez mais ávidos por mudanças e por líderes que representem suas aspirações e desafios contemporâneos. A escolha de um vice que simbolize essa renovação poderia fortalecer a campanha e proporcionar uma nova dinâmica à política local.

A insistência em nomes tradicionais pode ser vista como uma oportunidade perdida. É crucial que o MDB considere nomes que tragam frescor e inovação, que se conectem diretamente com as demandas atuais da sociedade. Essa é a chance de investir em uma nova geração de líderes, que não apenas complementem Marcus Alexandre, mas que também tragam novas ideias e abordagens para a gestão pública.

Foto capa: Projeto Arte Grafite — Foto: Assis Lima

Continue Reading

Direto ao ponto

Entre ambições e alianças: Mailza Assis e a nova direita acreana

Published

on

Recentemente, muito tem se falado sobre a aliança entre PL, PP e União Brasil em torno do nome de Tião Bocalom para as eleições de 2026. “A fotografia que saiu da reunião dessa aliança” mostra uma união sólida, com cada partido deixando na mesa seus interesses: PP e PL teriam candidatos ao Senado, enquanto o União Brasil o desejo é para governo. Essa união, claro, é um reflexo da “humildade” da direita em tentar construir uma frente única, evitando disputas internas que poderiam enfraquecer a coalizão.

Estamos em 2024 e, antes de 2026, as eleições municipais deste ano certamente mudará completamente essa “fotografia” política: as eleições municipais. Se Tião Bocalom for reeleito prefeito de Rio Branco, ele será um nome forte tanto para o Senado quanto para o governo em 2026. Por outro lado, se a oposição vencer, Marcus Alexandre (MDB) poderá emergir como um ponto de equilíbrio que não pode ser ignorado.

No entanto, essa aparente harmonia levanta questões importantes. A vice-governadora Mailza Assis, que deverá assumir o governo para que Gladson Cameli possa tentar retornar ao Senado, parece ser um ponto de interrogação nesta equação. Mailza não é uma figura política a ser subestimada; ela conquistou seu espaço no Senado e no governo com determinação e uma clara visão de onde quer chegar. Seria natural, então, que ela fosse considerada uma candidata forte ao governo.

“Ser candidata ao governo é o que me cabe”.

Vale lembrar que Mailza Assis foi uma das principais articuladoras para a eleição e candidatura de Bocalom pelo PP; como se diz na política, ela “bancou” sua candidatura. Foi boa senadora estando presente em todos os municípios e ainda desfruta dos resultados de suas ações e emendas até hoje. Mailza tem demonstrado habilidades de liderança e perspicácia política, construindo alianças e compartilhando o protagonismo. É difícil imaginar que ela se contentaria em ficar de fora da corrida ao governo em 2026. Nesta semana, em entrevista concedida ao jornalista Luciano Tavares, Mailza declarou: “Ser candidata ao governo é o que me cabe”. Seu histórico e seu perfil indicam que ela tem muito a oferecer, e a exclusão de seu nome pode representar um risco para a coesão da aliança.

O cenário político no Acre em 2026 é desafiador. Com todos os três atuais senadores com seus mandatos a prova, há uma possibilidade concreta de mudança de 2/3 do Senado, até 100% além da renovação dos oito deputados federais. Esse contexto exige uma estratégia bem articulada e inclusiva.

A “fotografia do momento” sugere uma união, mas também uma potencial fragilidade se Mailza Assis for deixada de lado. O Acre, com sua rica história de protagonismo político, deve refletir se abrir mão dessa liderança é realmente a melhor estratégia. A política é dinâmica, e as alianças de hoje podem ser questionadas amanhã.

Em 2026, a “humildade” e a união da direita serão testadas não apenas pela capacidade de manter a coesão interna, mas também pela habilidade de incluir e valorizar todas as suas “lideranças”.

A suposta “união” da nova direita no Acre para 2026 deverá enfrentar rachaduras evidentes com a exclusão potencial de Mailza Assis, ressaltando a fragilidade e as contradições dessa aliança, que parece mais interessada em preservar seus privilégios do que verdadeiramente representar a diversidade e as necessidades do estado.

Foto: Sérgio Vale / Vale Comunicação

Continue Reading

Tendência