Connect with us

Direto ao ponto

Silas Câmara, marido de Antônia Lúcia, tem mandato cassado por uso ilícito de recursos de campanha

Decisão do TRE-AM abre precedente para redefinição do quociente eleitoral e impacta a representação política do casal Câmara-Lúcia na Câmara dos Deputados

Published

on

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) cassou o mandato do Deputado Federal Silas Câmara, do partido Republicanos. Esta decisão foi tomada nesta quarta-feira (31), com a conclusão do julgamento que analisava o pedido de cassação por gasto ilícito de recursos financeiros de campanha eleitoral durante o ano de 2022. A representação contra Silas Câmara partiu do Ministério Público Eleitoral (MPE).

O julgamento, que inicialmente foi adiado devido a um pedido de vista do juiz Marcelo Vieira, retomou nesta manhã de quarta-feira e, por maioria de votos, resultou na cassação do mandato de Câmara, com quatro votos a favor e dois contra. Apesar da decisão, o deputado tem a possibilidade de recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O relator do caso, ao argumentar pela cassação, solicitou que os votos recebidos por Silas Câmara não fossem considerados para o cálculo do quociente eleitoral, o que pode alterar a distribuição de cadeiras na Câmara dos Deputados oriundas da eleição de 2022.

Silas Câmara tem uma ligação familiar e política com a deputada federal pelo Acre Antônia Lúcia (Republicanos), de quem é marido, ambos atuam em esferas políticas similares e compartilham alinhamentos em diversas pautas e campanhas eleitorais. A relação entre ambos é marcada por uma parceria de longa data no cenário político, onde suas carreiras e atuações têm sido interligadas por objetivos comuns e apoio mútuo.

Direto ao ponto

Uma pergunta: É hora de Mailza se postar como candidata a governadora?

Política, liderança e escolhas

Published

on

A sabedoria popular destaca que a política não se constrói apenas com ideias e aspirações individuais, mas sim por meio de liderança, diálogo e, como expresso de maneira folclórica, “ajuntando, feito bicho de ruma, não é rastando pra fora.” Nesse contexto, é questionado por alguns o que faz a vice-governadora, Mailza Assis, para ser governadora de todos, ou da maioria?


Qual a necessidade de Mailza Assis considerar a possibilidade de tornar-se governadora, quando já ocupa tal posição? O próprio Gladson Cameli expressou publicamente a harmonia ao tê-la ao seu lado, sinalizando um ambiente propício para a colaboração e cooperação.
”Política não se constrói com meras concepções do que se acredita possuir.” Ela se forja por meio de liderança, diálogo e a utilização efetiva dos recursos disponíveis. Nesse sentido parece que o ambiente no governo do Gladson Cameli, segue bem.

Compreender que a política não depende apenas do poder e da imposição, mas sim da atenção e do cuidado com os interesses coletivos, é crucial. A distinção entre “velha” e “nova” política, frequentemente mencionada, pode ser vista como principalmente uma questão de palavras, já que a eficácia política está centrada na representação e na participação ativa.

A “nova” política, frequentemente associada à publicidade, acaba sendo mais uma etiqueta do que algo concreto. O verdadeiro ponto de virada está no que acontece após a conquista do poder, não nas promessas de campanha. Candidatos que usam discursos da “velha” política dificilmente adotarão práticas substancialmente diferentes quando estão no poder. Fácil encontrar exemplos em assembleias, prefeituras e ou governos.

A busca por mudanças reais exige uma compreensão clara de que, independentemente dos rótulos usados, a essência da política está na participação, representação e tomada de decisões conjunta. Rotular a política como “nova”, “velha”, “azul” ou “vermelha” torna-se menos relevante quando confrontado com o cerne do processo político.

Como já foi sabiamente expresso, “Se realmente quiser mudar alguma coisa, você é que deve entrar de vez na política e participar dela.” A responsabilidade recai sobre cada um de nós, independentemente de afiliações partidárias ou retóricas de campanha, para moldar ativamente o futuro político e, consequentemente, o destino coletivo.

Mas se algo é certo, Mailza Assis, tem pouco tempo para decidir o seu futuro político. E que parece promissor, parece. Se será, não faço ideia.

Continue Reading

Direto ao ponto

Projeto inédito de concessão da BR-364 em Rondônia é Encaminhado ao TCU

Desenvolvimento, desafios e potencial exportador do Acre na Rota do Arco Norte

Published

on

Em uma iniciativa inovadora, o Ministério dos Transportes enviou ao Tribunal de Contas da União (TCU) o plano de outorga para concessão da BR-364/RO, estabelecendo um marco histórico para a infraestrutura rodoviária em Rondônia. A rodovia, que conecta Porto Velho a Vilhena, desempenha um papel crucial no corredor logístico do Arco Norte, favorecendo o escoamento de exportações.

Com uma extensão de 729 quilômetros, a BR-364/RO é a rota principal para o transporte de grãos, especialmente soja, milho e farelo de soja, entre o oeste de Mato Grosso, Rondônia e Acre. A previsão para 2024 é que o fluxo de grãos atinja aproximadamente 12 milhões de toneladas, destacando a importância estratégica da concessão.

O Ministro dos Transportes, Renan Filho, ressalta a relevância do projeto, que envolve investimentos expressivos. “Com a concessão, estamos falando de quase R$ 7 bilhões em obras, incluindo 113 quilômetros de duplicação, e mais R$ 4 bilhões em serviços operacionais. Isso trará não apenas segurança, mas também desenvolvimento para a região”, afirmou o ministro, mantendo a expectativa de levar o projeto a leilão no segundo semestre, após a análise do TCU.

Potencial Exportador do Acre: Preparando-se para Novos Desafios

O Acre, buscando ampliar suas opções de exportação, investe na produção de grãos como soja e milho, além de café, castanha, açaí e, potencialmente, na exportação de carnes bovina, suína e de aves. A BR-364/RO desempenha um papel crucial nesse cenário, sendo essencial para o estado se adaptar às novas oportunidades e desafios.

No entanto, o Acre enfrenta diversos desafios, incluindo questões políticas relacionadas a incentivos, a necessidade de manutenção das estradas, tanto na BR-364 quanto nas estradas estaduais, e desafios tecnológicos. Um exemplo disso é a falta de preparo total para a nova realidade logística, com a ausência de tecnologias como balanças dinâmicas, pesagem em movimento e monitoramento de tráfego. Essas lacunas precisam ser abordadas para assegurar que o estado esteja devidamente equipado para lidar com o aumento do fluxo logístico e tirar o máximo proveito das oportunidades de desenvolvimento econômico.

A modernização da infraestrutura e a adoção de tecnologias avançadas são fundamentais para o Acre alinhar-se com a crescente demanda, especialmente considerando a rota do Pacífico e as perspectivas de expansão econômica para a região. As atuais limitações tecnológicas ressaltam a necessidade de investimentos e parcerias estratégicas para impulsionar o estado em direção a um futuro mais próspero e conectado.

Foto BR 364 : Sérgio Vale/Vale Comunicação

Continue Reading

Direto ao ponto

Direto ao Ponto: O Caminho incerto do Bolsonarismo em Rio Branco

Quem está realmente alinhado com Bolsonaro nas eleições municipais?

Published

on

Em uma análise do cenário político em Rio Branco, observa-se divergência entre as figuras proeminentes do Bolsonarismo na região. Roberto Duarte, deputado federal pelo partido REPUBLICANOS, expressou posição distinta em relação a seus colegas ideológicos, destacando que sua sigla ainda não definiu apoio a Tião Bocalom ou a qualquer outro candidato para a prefeitura da capital acreana. Essa informação foi divulgada pelo Blog do Crica, enfatizando a independência do REPUBLICANOS na tomada de decisões eleitorais.

A divergência se estende além de Duarte, com outros representantes do Bolsonarismo no Acre, como Márcio Bittar, Coronel Ulysses e Alan Rick, apresentando pouca coesão. Enquanto Alan Rick declara apoio a Alysson Bestene, do PP, somente Márcio Bittar (UB) parece estar alinhado com a candidatura de Bocalom, inclusive promovendo sua filiação ao PL, partido liderado por João Paulo Bittar e afiliado ao presidente Bolsonaro.

A situação levanta dúvidas sobre a estratégia e coesão do Bolsonarismo na região, se é que existe uma estratégia clara. Roberto Duarte, ao articular a posição do REPUBLICANOS, destaca a importância de evitar um papel secundário nas alianças políticas. Ele mantém em aberto a possibilidade de lançar sua própria candidatura à prefeitura de Rio Branco, evidenciando uma abordagem estratégica para assegurar o protagonismo do partido no processo eleitoral. Essa postura inclui a consideração de indicar um vice na chapa de outra sigla ou apresentar um candidato próprio.

O posicionamento do REPUBLICANOS, conforme expresso por Duarte, destaca a autonomia do partido e sua busca por uma aliança que reconheça sua influência e recursos eleitorais. A interação com candidatos de outras siglas, excetuando-se o MDB por sua aliança com o PT, indica uma abordagem pragmática na formação de coligações, priorizando compatibilidade ideológica e estratégica.

Quem vai com o Bolsonarismo em Rio Branco?

A incerteza e a fragmentação no espectro político bolsonarista em Rio Branco, levantam questionamentos sobre quem está alinhado com o Bolsonarismo. Essa dinâmica reflete desafios na formação de uma frente unificada nas eleições municipais. Vale ressaltar uma certeza: embora todos compartilhem as ideias do “bolsonarismo”, até o momento, o único que parece contar com apoio direto de Bolsonaro é Tião Bocalom.

Foto: Sérgio Vale

Continue Reading

Tendência