Connect with us

MEIO AMBIENTE

Artigo destaca o potencial do Parque Estadual Chandless para Pesquisas

Pesquisa revela diversidade e importância dos insetos aquáticos, reforçando a necessidade de monitoramento para preservação do ecossistema no Acre

Published

on

O estudo detalhado sobre o Parque Estadual Chandless (PEC), realizado por Valdemar de Matos Paula e colaboradores, publicado na revista “Research, Society and Development”, oferece uma perspectiva abrangente sobre a entomologia aquática na região do sudoeste da Amazônia. O artigo destaca a diversidade e a importância dos insetos aquáticos encontrados no parque, enfatizando seu papel ecológico e sua relevância como bioindicadores de qualidade ambiental.

A pesquisa adota uma abordagem descritiva, investigando os igarapés em momentos específicos e enfrentando desafios na coleta de dados. A análise revela uma significativa diversidade de famílias de insetos aquáticos no Acre, destacando-se Ephemeroptera, Trichoptera, Odonata, Coleoptera e Hemiptera. Estes insetos desempenham papéis cruciais nos ecossistemas aquáticos, incluindo decomposição de matéria orgânica e manutenção da cadeia alimentar.

Valdemar de Matos Paula ressalta a relevância do estudo para a preservação do PEC, alinhando-se com a visão de uma Amazônia bioeconômica sustentável. A pesquisa contribui para o conhecimento científico sobre o Acre e a Amazônia, incentivando estudos futuros de grande impacto para o estado.

O Parque Estadual Chandless, em Manoel Urbano, no Acre, apesar de sua importância ecológica, enfrenta desafios significativos no que se refere ao monitoramento e entendimento dos seus ecossistemas aquáticos. É mencionado no estudo que, na área do Parque Estadual Chandless, não são realizados estudos de monitoramento dos ecossistemas aquáticos que busquem entender mais profundamente as comunidades biológicas e os parâmetros ambientais da região. Esta lacuna no conhecimento científico ressalta a necessidade crítica de realizar estudos na área, visando a implementação de programas de monitoramento que possam diminuir os danos causados à biodiversidade desses locais.

Esta situação enfatiza a importância de se conduzir pesquisas no Parque Estadual Chandless, especialmente no contexto de preservar a sua biodiversidade única e rica. O estudo de Valdemar de Matos Paula e colaboradores, ao explorar a diversidade de insetos aquáticos do parque, é um passo importante nesse sentido. Ele não apenas contribui para o conhecimento científico sobre a biodiversidade aquática do parque, mas também destaca a necessidade urgente de mais pesquisas e programas de monitoramento que possam efetivamente proteger e conservar o ecossistema único do Parque Estadual Chandless.

O artigo tem como coautores o professor do campus Floresta, José Genivaldo do Vale Moreira, e o professor do curso de Geografia, Rodrigo Otávio Peréa Serrano, ambos orientadores do Cita. Além dos mestrandos Moises Parreiras Pereira, Rodrigo da Gama de Santana, Andesson Oliveira Silva e Flávia Dinah Rodrigues Silva, que é servidora da Secretaria de Meio Ambiente do Acre e atual gestora do parque. O estudo também contou com auxílio do diretor de Pós-Graduação, professor Lisandro Juno.

Confira o estudo: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44679/35695

Foto: Alexandre Cruz-Noronha/Sema

MEIO AMBIENTE

Na fronteira com o Acre, organizações indígenas do Peru movem ação contra construção de estrada e suas ameaças

Published

on

Organizações indígenas do Peru entraram com uma ação contra o Governo Regional de Ucayali para interromper a construção da estrada Nueva Italia – Puerto Breu. A estrada, iniciada sem autorização legal, foi aberta por madeireiros e narcotraficantes, sem estudo de impacto ambiental ou consulta prévia às comunidades afetadas.

A ação foi apresentada pela Organização Regional AIDESEP Ucayali (ORAU) e pela Associação de Comunidades Nativas para o Desenvolvimento Integral de Yurua, Yono e Sharakoiai (ACONADIYSH), com o apoio do Instituto de Defesa Legal (IDL) e da Upper Amazon Conservancy (UAC).

As comunidades indígenas dos distritos de Yurua e Tahuania, na província de Atalaya, manifestaram preocupação com a abertura da estrada, que já resultou no desmatamento de 7.160 hectares, segundo o Ministério do Ambiente. A estrada também ameaça os povos indígenas em situação de isolamento e contato inicial na Reserva Indígena Murunahua.

No Congresso, há iniciativas para formalizar a construção da estrada e declará-la de interesse nacional, como o Projeto de Lei 06960/2023-CR. As comunidades nativas argumentam que essa formalização facilitaria a expansão de atividades criminosas, como o narcotráfico e a extração ilegal de madeira, prejudicando o meio ambiente e as terras indígenas.

A demanda constitucional busca que o Governo Regional de Ucayali suspenda a construção da estrada, citando violações dos direitos coletivos dos povos indígenas, incluindo o direito a um ambiente equilibrado. Estudos indicam que a estrada já causou desmatamento significativo e que sua formalização aumentaria o impacto ambiental e social na região.

A construção da estrada UC-105 também apresenta sérios riscos para as comunidades indígenas no Acre, Brasil, situadas na fronteira. A estrada facilita a entrada de atividades ilícitas na região, resultando em desmatamento, contaminação de corpos d’água e impactos negativos na biodiversidade. Os povos indígenas do Acre, especialmente os Ashaninka do Rio Amônia, enfrentam ameaças diretas devido à proximidade da estrada com seus territórios. A ocupação ilegal e a presença de atividades criminosas aumentam a violência, incluindo assassinatos de líderes indígenas e defensores ambientais.

Historicamente, a estrada tem servido como um corredor para atividades predatórias, como a extração de madeira. Com a reabertura e expansão da UC-105, há um temor de retorno dos conflitos e deslocamentos forçados que marcaram as décadas passadas, agravando a situação dos povos indígenas que já sofreram com invasões e exploração ilegal em suas terras.

Fonte: https://www.idl.org.pe/

Continue Reading

MEIO AMBIENTE

⁠ Julie Messias recebe Cruz do Mérito da Amazônia por atuação exemplar no meio ambiente ⁠

Secretária do Acre é homenageada por Redução Histórica no Desmatamento e Combate às Queimadas

Published

on

A secretária Julie Messias recebeu a Cruz do Mérito da Amazônia pelo seu trabalho como gestora pública à frente da pasta ambiental no governo do Acre. A cerimônia de premiação aconteceu durante o evento Ícones da Amazônia, organizado pela Câmara Brasileira de Cultura e Academia de Ciências e Artes, no buffet AFA Jardim, em Rio Branco.

Julie Messias, além de ser secretária do Meio Ambiente, é presidente do Comitê Diretivo do GCF no Brasil e do Fórum de Secretários da Amazônia Legal. Em seu discurso, destacou que a premiação é um reconhecimento não apenas a ela, mas a toda a equipe de governo que trabalha na conservação e preservação ambiental.

Agradeço ao governador Gadson Cameli pela confiança em meu trabalho à frente da Sema, e a todos os demais agentes que atuam integrados à nossa pasta de Meio Ambiente.

O estado do Acre tem obtido resultados, como a redução de 69% no desmatamento e 45% nos focos de queimadas em 2023, conforme relatórios do MapBiomas e do Cigma, respectivamente. Além disso, foi o primeiro estado a ter um projeto aprovado pelo Fundo Amazônia, no valor de aproximadamente R$ 98 milhões. As ações incluem a Rede de Governança Ambiental, mutirões de regularização ambiental e programas como ReflorestAcre, Bioguardião e Água Boa.

Julie Messias enfatizou os desafios atuais, como a seca extrema e a baixa pluviosidade devido aos efeitos prolongados do El Niño, e lançou iniciativas como o Decreto de Emergência Ambiental e a Segunda Fase da Operação Protetor dos Biomas.

A premiação é o reconhecimento pelo trabalho dedicado à proteção ambiental e ao desenvolvimento sustentável da região amazônica.

Com informações Assessoria / Foto: Janine Brasil/Sema

Continue Reading

MEIO AMBIENTE

Governo do Acre declara Emergência Ambiental devido à Seca

Medidas emergenciais são tomadas para enfrentar prolongamento dos efeitos do El Niño

Published

on

O governo do Acre decretou Situação de Emergência Ambiental em todos os 22 municípios do estado, válida até 31 de dezembro, devido aos efeitos prolongados do El Niño. A medida visa coordenar ações para reduzir os impactos da seca severa, que tem afetado os níveis dos rios e aumentado o risco de incêndios florestais.

Um Gabinete de Crise foi estabelecido para monitorar os índices de chuvas e cursos hídricos, além de lançar a segunda fase da Operação Protetor dos Biomas. Reuniões semanais na Sala de Situação da Secretaria do Meio Ambiente são realizadas para alinhar estratégias entre os órgãos envolvidos.

A secretária do Meio Ambiente, Julie Messias, enfatizou a importância da união de esforços para proteger a população e o meio ambiente diante dos impactos da seca.

As medidas são parte de um esforço conjunto para mitigar os impactos da seca extrema na região, mobilizando recursos e promovendo uma resposta coordenada entre diferentes órgãos e autarquias. O cenário é desafiador, especialmente com as previsões de transição para o fenômeno La Niña, que podem trazer novos desafios para a gestão ambiental e a segurança da população acreana.

Foto: Alexandre Noronha / Assessoria

Continue Reading

Tendência