Connect with us

Opinião

Do potencial estadual à realidade exportadora, ainda é um longo caminho

Desafios e Potencial: Rumo à Exportação – Inovação, Infraestrutura e Estratégias para Alcançar o Mercado Internacional.

Published

on

Nos últimos anos, tem-se debatido extensivamente sobre o potencial dos estados amazônicos, como o Acre, em se tornarem grandes expoentes na exportação de recursos naturais e produtos sustentáveis. No entanto, uma pergunta persiste no cenário econômico: quando essa promessa de potencial finalmente se traduzirá em uma realidade efetiva de um estado exportador?

O potencial é inegável. A Amazônia abriga uma das maiores biodiversidades do planeta, oferecendo uma ampla gama de produtos naturais valiosos para mercados globais. No caso específico do Acre, a diversidade de suas florestas, aliada à agricultura familiar e aos produtos agroflorestais, oferece um leque variado de oportunidades para exportação, desde madeiras nobres até frutos regionais e produtos não madeireiros, como a borracha e óleos essenciais.

Então, o que impede essa transição de um estado com potencial para um estado exportador consolidado? Uma das grandes barreiras reside na falta de infraestrutura logística adequada, que dificulta o escoamento da produção até os mercados internacionais. A ausência de investimentos em estradas, portos e aeroportos limita a capacidade de alcançar eficientemente esses mercados, tornando o processo de exportação custoso e pouco competitivo.

É crucial reconhecer que o papel do poder público é fundamental nesse contexto. O Estado deve desempenhar o papel de criar políticas públicas que promovam o desenvolvimento sustentável, incentivem a inovação, proporcionem capacitação técnica aos produtores locais e invistam em infraestrutura logística.

O estímulo à criação de programas, como o Exporta Mais Amazônia, é um passo positivo nessa direção. Esses programas buscam identificar e apoiar setores econômicos com potencial exportador, promovendo rodadas de negócios e facilitando a entrada em mercados estrangeiros. No entanto, para alcançar uma transição efetiva, são necessárias medidas mais abrangentes e contínuas.

A infraestrutura logística é um ponto chave que requer investimentos substanciais e contínuos por parte do Estado, visando à melhoria das estradas, portos e aeroportos. Além disso, é fundamental a implementação de políticas que valorizem a sustentabilidade, promovendo práticas de produção responsáveis e incentivando certificações que atestem a origem ecológica dos produtos.

O poder público também desempenha um papel crucial na facilitação do acesso a crédito para os produtores, na oferta de assistência técnica e na promoção de parcerias entre instituições de pesquisa, empresas e comunidades locais, visando ao desenvolvimento de novas tecnologias e à agregação de valor aos produtos.

É fundamental considerar que a capacidade de atender a um mercado internacional vai além do potencial qualitativo dos produtos. A busca pela exportação antes de atender a demanda local ou sem uma produção quantitativa pode ser um desafio significativo. É como tentar vender algo que ainda está em estágios iniciais de produção ou, em alguns casos, que sequer tem uma presença consolidada no mercado interno. 

A exemplo da Cooperacre, cooperativa que atua no Acre. Apesar de possuir uma fábrica moderna, marca consolidada e diversidade de embalagens, sua capacidade produtiva permanece ociosa. A falta de competitividade no mercado, ausência de estratégias de marketing eficazes e investimentos limitados em inovação resultam na subutilização da fábrica. A empresa espera por incentivos estatais, mas carece de um plano sólido para expandir, adaptar-se às demandas do mercado e competir efetivamente. Esta dependência dos subsídios governamentais sem uma estratégia empresarial robusta compromete a viabilidade a longo prazo, dificultando a entrada em novos mercados e minando o crescimento sustentável da empresa.

Nesse contexto, a pergunta crucial emerge: como podemos vender para o exterior algo que ainda não produzimos em quantidades suficientes para atender até mesmo a demanda local? A construção de uma presença sólida no mercado local é crucial para fortalecer a produção e a qualidade dos produtos, antes de iniciar uma expansão para mercados internacionais. Essa estratégia não apenas garante uma base sólida de produção, mas também proporciona insights valiosos sobre preferências do consumidor, ajustes necessários nos produtos e na estratégia de marketing, permitindo, assim, uma entrada mais assertiva nos mercados internacionais.

O momento atual da produção de café no estado é de grande expectativa, com reconhecimento merecido para os produtores comprometidos com a qualidade e a tradição. No entanto, esse cenário também testemunha a presença de indivíduos que veem no café uma oportunidade econômica momentânea. Esses aventureiros, muitas vezes desprovidos do compromisso necessário, visam a lucros imediatos em detrimento da preservação da qualidade e da autenticidade locais. Essa abordagem, focada apenas no ganho rápido, pode ameaçar a reputação e a identidade do café estadual, prejudicando o trabalho dos produtores dedicados e comprometidos com a qualidade ao longo do tempo.

Em resumo, a transição de um estado com potencial para um estado exportador consolidado depende de uma abordagem conjunta, envolvendo o setor privado, o poder público e a sociedade. O investimento em infraestrutura, a promoção de práticas sustentáveis, a valorização da produção local e a abertura de novos mercados são passos essenciais nessa jornada. Somente com esforços coordenados e contínuos poderemos testemunhar o pleno aproveitamento do potencial exportador do Acre e de toda a região amazônica.

Alexandre N. Nobre

Assessoria

Presidente do PT do Acre faz reflexões sobre o 8 de janeiro

Zen, analisou o primeiro ano da tentativa de golpe ocorrida no dia 8 de janeiro de 2023 – Confira

Published

on

Assessoria PT do Acre – Foto: Sérgio Vale

Em uma série de tweets (atual X), o ex-deputado estadual e presidente do PT do Acre, Daniel Zen, analisou o primeiro ano da tentativa de golpe ocorrida no dia 8 de janeiro de 2023. Ele destaca a recente ação de busca, apreensão e prisão contra os responsáveis por financiar e fomentar o episódio, ressaltando, no entanto, a necessidade de investigações avançarem sobre os mentores, incluindo o presidente Bolsonaro e generais do Exército Brasileiro, para erradicar o espectro golpista.

Daniel Zen rejeita veementemente a tese bolsonarista de que o vandalismo e a arruaça foram causados por “infiltrados”, considerando-a ilógica e risível. Com dezenas de membros da extrema-direita já condenados e presos, ele desacredita a narrativa de uma suposta “armadilha da esquerda” e destaca a premeditação e planejamento por trás da tentativa de golpe.

“Hoje, 1 ano do 8/1, foi a vez dos mandados de busca e apreensão e de prisão contra quem FINANCIOU e FOMENTOU a tentativa de golpe. Mas, enquanto as investigações não avançarem sobre os MENTORES, incluindo Bolsonaro e Generais do EB, o espectro golpista seguirá pairando no ar…”, destaca Zen.

Ao completar um ano da ação, Zen enfatiza a importância de responsabilizar não apenas aqueles que executaram, mas também os que planejaram, incitaram, financiaram, se omitiram ou foram coniventes. Sua visão é clara: todos os envolvidos, inclusive os que incentivaram, estimularam, financiaram e acamparam em portas de quartéis, devem enfrentar as consequências legais.

No contexto geral, a tentativa de golpe de Estado por manifestantes bolsonaristas completou um ano, com a Justiça brasileira conseguindo a condenação de 30 pessoas envolvidas na invasão das sedes dos Três Poderes, em Brasília. Entre as 2.170 pessoas apreendidas durante os dias 8 e 9 de janeiro de 2023, apenas 66 permanecem presas. O Ministério Público Federal denunciou 1.413 pessoas pela tentativa de golpe, resultando em 28 condenações por diversos crimes, enquanto outras duas foram condenadas exclusivamente pelas depredações dos prédios públicos.

Confira o fio:

Continue Reading

Opinião

Em artigo, presidente do Sebrae analisa a relação entre empresas, instituições e o Brasil empreendedor

Leia a análise completa sobre interação entre empresas, instituições e o cenário empreendedor brasileiro. Por Délcio Lima

Published

on

Em artigo, Décio Lima, presidente do Sebrae, aborda a conexão entre a data de 8 de janeiro, marcada pela tentativa de um golpe de Estado, e a interação fundamental entre liberdade, respeito às instituições e o papel das empresas no cenário empreendedor nacional, composto por quase 20 milhões de entidades ativas.

“A data de 8 de janeiro jamais passará incólume para aqueles que viveram o Brasil da Ditadura. Os “anos de chumbo” marcaram profundamente a vida do cidadão que, em seu conceito essencial, prima pela liberdade de ir e vir, pelo direito à voz, pela convivência pacífica entre as mais diversas esferas sociais, pelo cumprimento de contratos e, especialmente, pelo respeito às instituições”, escreve.

O texto destaca a importância do regime democrático para a segurança jurídica das empresas, examinando avanços normativos e políticas públicas que influenciam o ambiente de negócios no país. A análise inclui a teoria de Douglas North sobre o papel das instituições no desenvolvimento econômico, explorando como empresas bem-sucedidas contribuem para uma relação democrática.

O texto também investiga os riscos associados à ameaça às instituições e destaca a defesa da democracia como crucial para preservar instituições fortes, essenciais para a estrutura e reputação do país. Leia a análise completa para compreender a interação entre empresas, instituições e o cenário empreendedor brasileiro.

Leia o artigo completo: https://agenciasebrae.com.br/cultura-empreendedora/democracia-garante-seguranca-juridica-no-ambiente-das-empresas/

Continue Reading

Notícias

Entre Tradição e Inovação: o Fascinante Mundo do Artesanato Acreano

Original e autêntico, o artesanato do Acre encanta turistas de todo o mundo como atração imperdível.

Published

on

Bem-vindos ao mundo das tramas vivas que tecem a riqueza do artesanato acreano. Neste artigo, vamos apresentar as origens da produção artesanal no Acre, que vai além de objetos utilitários e decorativos. O artesanato acreano desempenha um papel crucial na preservação da identidade cultural, na sustentabilidade ambiental, na geração de renda e no turismo.

No coração das florestas do Acre, o artesanato é muito mais do que uma expressão artística. É um eco das tradições indígenas e do modo de vida dos seringueiros e das populações tradicionais. O sapato de borracha, outrora utilitário, agora é uma peça remodelada por artesãos locais como resultante de consultorias de design, encantando consumidores mundo afora. Com suas mãos habilidosas, os artífices locais contribuem para a conservação do patrimônio cultural, transmitindo técnicas tradicionais para as gerações futuras, além de gerar novos postos de ocupação e renda.

O artesanato acreano é uma expressão cultural rica e diversificada, que também se destaca por suas práticas sustentáveis. Os artesãos acreanos utilizam matérias-primas predominantemente florestais, como sementes, cascas e borracha, de forma sustentável, contribuindo para a conservação da biodiversidade da região. Essas práticas sustentáveis são um exemplo para outras cadeias de valor, que podem se inspirar para adotar modelos de produção mais responsáveis com o meio ambiente.

O artesanato é um fio condutor para a geração de renda em comunidades locais, uma realidade respaldada por estatísticas e casos de sucesso que destacam a notável contribuição desse setor para a economia regional. A implementação de políticas e projetos de desenvolvimento específicos, no período de 2005 a 2018, com ênfase na inovação e na criação de novas coleções, juntamente com uma abordagem estratégica na esfera comercial, que propiciou aos artesãos acreanos não apenas a expansão de seus horizontes, mas também uma presença marcante em mercados globais. Este impulso estratégico possibilitou que os produtos artesanais acreanos alcançassem uma notável exposição em prestigiados locais, como o Museu de Arte de São Paulo, além de se destacarem em eventos internacionais, como desfiles no São Paulo Fashion Week e na Solenidade do Oscar 2017, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Essa inserção global também se reflete na comercialização bem-sucedida de suas criações em Nova Iorque, Londres, Paris, Milão, Lisboa e outros destinos internacionais.

Os artesãos do Acre também alcançaram grande reconhecimento no cenário brasileiro, com posições de destaque em feiras nacionais, conquistando o primeiro e segundo lugares em volume de vendas. Esse desempenho excepcional do trabalho artesanal, além de enaltecer a habilidade e criatividade locais, se traduz em divisas significativas que contribuem para o fortalecimento econômico do estado. Dessa forma, o artesanato se revela como protagonista na construção de um cenário econômico vibrante e sustentável para o Acre, caracterizado por sua marcante expressão cultural.

O artesanato acreano também se destaca como um importante atrativo turístico. Com sua autenticidade e originalidade, as peças artesanais encantam visitantes de todo o mundo. Destinos como a Casa do Artesanato Acreano, o Mercado Velho, o Museu dos Povos Acreanos (Rio Branco), a Marchetaria do Acre (Cruzeiro do Sul), o Doutor da Borracha (Epitaciolândia) são vitrines das tradições locais, oferecendo aos turistas uma experiência ímpar.

Pela importância do setor artesanal nas economias locais e no desenvolvimento sustentável do Acre, tornou-se urgente a retomada uma política de investimentos e de implementação de projetos de fomento.

A natureza multifacetada do artesanato acreano é revelada em suas ricas tramas vivas e na infinidade de possibilidades de novas criações que coexistem em harmonia com a preservação de tradições culturais e a promoção de práticas sustentáveis em nosso território. Essas tramas são tecidas pela vida e trabalho dos artesãos acreanos, que guardam em si o poder de criar e desenvolver produtos que repercutem em públicos globais, de construir um ambiente mais diverso e inclusivo para o desenvolvimento das economias locais. Por isso, aceite nosso convite para conhecer e apoiar os artesãos do Acre, que também são guardiões da Amazônia, nosso tesouro mundial.

Aldemar dos Santos Maciel – educador e especialista em Inovação e Gestão de Projetos de desenvolvimento no Sebrae

Maria Dorotea Aguiar Barros Naddeo – consultora em políticas públicas para desenvolvimento do artesanato brasileiro, sócia-diretora de estratégia e planejamento da empresa Canela de Ema. Foi Coordenadora do Artesanato no Sebrae MG (2000-2005), Coordenadora-Geral do Programa do Artesanato Brasileiro – PAB (2007/2010) e, atualmente, integra o quadro de consultores externos do SEBRAE Nacional,

Continue Reading

Tendência